TRABALHOS de ARTES DECORATIVAS em: Madeira, Vidro, Velas, Chacota, Arte Floral, Eva, Patchwork, Pintura, Fotografia e Scrapbooking

Quinta-feira, 20 de Junho de 2013

(Nome científico Zantedeschia é necessária alguma cautela com esta Flor, brancas ou de qualquer outra côr, por ser uma planta tóxica. No caso de haver contacto nos lábios ou língua, é comum haver irritação, inchaço, salivação abundante, dificuldade de engolir e respirar.)

 

                   >>>>>>>>>><<<<<<<<<<


 

                   >>>>>>>>>><<<<<<<<<<


 

Flor em jarro, edredom e fé

 

Música em carro, som que faz maré

 

Cor da lua, tecto que faz pensar

 

Tudo quando diz que estás por ''perder tempo''. Será?

 

 

 

Esperas, elevador, bates pés em chão

 

Estes dois minutos poderiam ser até, a decisão

 

De um olhar que está ao lado esperando ou a calar

 

Um futuro que tu não estando, acaba de desperdiçar

 

 

 

Ganhastes uma carta, não mais a leste

 

Tocastes em rosa, nem sentes aroma

 

Só sentes espinhos, porque são destes

 

O presente que vislumbra o coma

 

 

 

Sem nada para fazer, foi o homem redigir

 

E descobriu mais um dom, que a pressa veio a retrair

 

E aquele a reclamar das horas que ainda faltariam

 

Perdeu a chance de cantar e descobrir que aplaudiriam

 

 

 

Ó, pois! Foi em um destes tempos sem tempo

 

Que peguei-me decalcando tua mão

 

Sentindo teu cheiro destempo

 

Vendo teu olhar em adjecção

 

 

 

Quando reparar a importância deste momento

 

Ou apenas, e até, a leveza do que pressuposto estava

 

Este será, então arquivo: Vento

 

Que passa, e apenas quando cessa mostra o que arrastava

 

 

 

Quando reconhecer o que quis dizer-me

 

Tu já terás ido

 

E só entenderei em uma destas perdas de tempo

 

O que terá partido

 

 

 

Pois colocar-me-ei a relembrar

 

Já que estarei ignorando horas ao recostar

 

A cabeça na cama, até ver que a luz queimou

 

E aprenderei a religar isto e aquilo que intimou

 

 

 

Só compreenderei disto, a intensidade

 

Quando estiver por esperar o elevador

 

E olhar ansiosa para o lado, e em verdade

 

Não enxergar a parede, e sim, o amor

 

 

 

E em uma manhã engarrafada

 

Tu lerás a carta esquecida

 

E perceberás que esta jornada

 

É das horas, exprimida

 

 

 

Então, não anseies no sinal vermelho

 

Que até que verde fique, tudo pode acontecer

 

Não fiques sentindo as dores de um joelho

 

Que nem ralou, e pode inda fortalecer

 

(Vanessa Brunt)

 

publicado por artedasao às 12:43

De mafaldinhaarte a 24 de Junho de 2013 às 15:20
Muito interessante!! Eu nunca tinha visto jarros com esta cor!! Fiquei encantada com a linda fotografia!!


pesquisar
 
Junho 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9





Últ. comentários
Olá Maria da Conceição!Encontrei ao acaso o seu bl...
Gostei imenso... De encontrar esses versos soltos ...
Maravilhosa tarde de segunda-feira para ti doce am...
Muito interessante!! Eu nunca tinha visto jarros c...
Uma fotografia muito linda!! Adoro pavões!!
Mais um belo poema e uma fotografia perfeita!!
Gostei muito deste poema!! Verdadeiramente encanta...
Muito linda
Ouvir o eco de nossas próprias palavras nos dá a i...
Belo poema, imagem ainda melhor!Dylan
Últ. comentários
Olá Maria da Conceição!Encontrei ao acaso o seu bl...
Gostei imenso... De encontrar esses versos soltos ...
Maravilhosa tarde de segunda-feira para ti doce am...
Muito interessante!! Eu nunca tinha visto jarros c...
Uma fotografia muito linda!! Adoro pavões!!
Mais um belo poema e uma fotografia perfeita!!
Gostei muito deste poema!! Verdadeiramente encanta...
Muito linda
Ouvir o eco de nossas próprias palavras nos dá a i...
Belo poema, imagem ainda melhor!Dylan

blogs SAPO


Universidade de Aveiro