TRABALHOS de ARTES DECORATIVAS em: Madeira, Vidro, Velas, Chacota, Arte Floral, Eva, Patchwork, Pintura, Fotografia e Scrapbooking

Quarta-feira, 31 de Outubro de 2012

(Valinhos), próximo fica a casa da Irmã Lúcia

 

                                 »»»»»»»»»»««««««««««

                                 »»»»»»»»»»««««««««««

 

 

Não pode tocar

 

Entro num museu, paro em frente a um quadro, a uma escultura, a uma cerâmica, e enxergo o aviso: não pode tocar. Não posso, então não toco, tudo bem. Não tocarei pra não estragar, pra não quebrar, pra durar por muitos séculos. Nada de sentir a textura do material, nada de deixar minhas digitais impressas, nada de arranhar a tela com minhas unhas mal lixadas, de desgastar as cores com meus dedos imundos. Então a gente respeita, não chega muito perto, não atravessa a linha amarela, nada de macular a obra com nosso hálito quente e nosso olhar aproximado demais.

Assim é também entre homens e mulheres, entre pais e filhos, entre amigos que procuram se proteger: não se pode tocar em determinados assuntos.

Há questões que arriscam ser maculadas com palavras, que um olhar aproximado demais poderia danificar. Instaura-se sempre um silêncio de museu ao nos aproximarmos de temas perigosos. Tolera-se apenas o som da tevê, de um teclado de computador, de alguém falando ao telefone, ruídos parecidos com silêncio, já que não fazem barulho excessivo, não incomodam o suficiente. Palavras incomodam o suficiente. Vamos falar sobre o que nos aconteceu dez anos atrás. Vamos conversar sobre a morte do seu pai. Vamos tentar entender juntos a razão de você estar bebendo desse jeito. Me diz o que te perturbou na infância. Não, não quero tocar neste assunto.

Mantenha-se atrás da faixa amarela, não chegue muito perto, não acerque-se de meus traumas, não invada meus mistérios, não atrite-se com o meu passado, não tente entender nada: é proibido tocar no sagrado de cada um.

Todas as relações do mundo possuem sua prateleira de cristais. Há sempre um suspense, uma delicadeza ao transitar pela fragilidade do outro. Melhor não falar muito alto, é mais prudente ir devagar e com cuidado. Para não estragar, pra não quebrar, pra durar por muitos séculos.

 

(Martha Medeiros)

 

 

publicado por artedasao às 10:14

Terça-feira, 30 de Outubro de 2012

Trabalhado com Papel de Arroz

 

                                   »»»»»»»»»»««««««««««

                                   »»»»»»»»»»««««««««««

 

O sonho

 

Sonhe com aquilo que você quer ser,

Porque você possui apenas uma vida

E nela só se tem uma chance

De fazer aquilo que quer.

 

Tenha felicidade bastante para fazê-la doce.

Dificuldades: para fazê-la forte.

Tristeza para fazê-la humana.

E esperança suficiente para fazê-la feliz.

 

As pessoas mais felizes não têm as melhores coisas.

Elas sabem fazer o melhor das oportunidades

Que aparecem em seus caminhos.

 

A felicidade aparece para aqueles que choram.

Para aqueles que se machucam

Para aqueles que buscam e tentam sempre.

E para aqueles que reconhecem

A importância das pessoas que passaram por suas vidas.

 

(Clarice Lispector)

 

 

publicado por artedasao às 10:20

Segunda-feira, 29 de Outubro de 2012

(Igreja Matriz)

 

                                   »»»»»»»»»»««««««««««

                                   »»»»»»»»»»««««««««««

Acudam, acudam,

O pobre mendigo,

Com fome, sozinho,

E ainda perdido.

 

Acudam, acudam,

A pequena criança,

Já sofreu tanto,

Que lhe falta esperança.

 

Acudam, acudam,

O rebelde ladrão,

Rouba para viver,

Mas vive na solidão.

 

Acudam, acudam,

O humilde pecador,

Quanto mais peca,

Mais aumenta a sua dor.

 

Acudam, acudam,

O inocente prisioneiro,

Não cometeu crime,

Nem sequer por dinheiro.

 

Acudam, acudam,

O velho pescador,

Viaja ao sabor do vento,

Mas está só e não tem amor.

 

Acudam, acudam,

A mulher traída,

Continuando assim,

Vai pedir uma nova vida.

 

Acudam, acudam,

O povo português,

Se o país continua assim,

Emigram todos de uma vez.

 

Acudam, acudam,

O triste poeta,

Demonstra felicidade,

Quando a tristeza desperta.

 

Acudam, acudam,

Este poema sincero,

Pensem nas suas palavras,

Isso é só o que eu quero.

 

(Cristiana Madeira)

 

 

publicado por artedasao às 10:29

Domingo, 28 de Outubro de 2012

Técnica com Papel de Arroz

                                   »»»»»»»»»»««««««««««

                                   »»»»»»»»»»««««««««««

 

A vida é justa?

Estou farto de ver pessoas morando em barracas de madeira.

Enquanto outras têm mansões e carros importados.

Por que as pessoas se separam dessa maneira?

Uns têm tudo enquanto outros são castigados.

 

Nessa vida o que manda é o dinheiro e o poder.

Então para que é importante o saber?

Ainda existem muitas pessoas que se preocupam em ajudar.

Seria bom mesmo se todos pudessem apoiar.

 

Eu estudo para ter um salário alto.

Mas não é mais fácil virar jogador de futebol?

Posso também pegar uma arma e dizer: “É um assalto”

Mais um dia acordo e vejo aquele sol.

 

Pessoas ricas e pobres trabalham no mesmo lugar.

Mais com cargos totalmente diferentes.

Mas não sei se desistiram de lutar.

Ou então acabaram ficando descrentes.

 

(Leonardo Santos Medeiros)

 

publicado por artedasao às 12:09

Sábado, 27 de Outubro de 2012

Fotografia de Fátima Teixeira

                                    »»»»»»»»»»««««««««««

                                    »»»»»»»»»»««««««««««

Quem Sabe um Dia

 

Quem sabe um dia

Quem sabe um seremos

Quem sabe um viveremos

Quem sabe um morreremos!

 

Quem é que,

Quem é macho

Quem é fêmea

Quem é humano, apenas!

 

Sabe amar

Sabe de mim e de si

Sabe de nós

Sabe ser um!

 

Um dia

Um mês

Um ano

Um(a) vida!

 

Sentir primeiro, pensar depois

Perdoar primeiro, julgar depois

Amar primeiro, educar depois

Esquecer primeiro, aprender depois

 

Libertar primeiro, ensinar depois

Alimentar primeiro, cantar depois

 

Possuir primeiro, contemplar depois

Agir primeiro, julgar depois

 

Navegar primeiro, aportar depois

Viver primeiro, morrer depois

 

(Mário Quintana)

 

publicado por artedasao às 09:43

Sexta-feira, 26 de Outubro de 2012

(Artesanato)

                                   »»»»»»»»»»««««««««««

                                   »»»»»»»»»»««««««««««

 

País Verde!

Atirem pedras, se irritem,

Mostrem toda a sua dor,

Espalhem-se e quebrem,

Tudo isso é o horror.

A politica assassina,

Rouba sem se mostrar,

Diante de nossos olhos,

Ela nunca vai se cansar.

Para que ser tão fiel,

Se o país vai-te enganar,

Escondam suas armas,

Por que são eles, quem atiram pra matar…

 

Eles tiram seu dinheiro,

Para seu voto comprar,

Eles demonstram compaixão,

Para sua confiança ganhar,

Cheios de clichés

E propagandas fúteis,

Aparecem na TV,

Com suas ideias inúteis.

 

Trabalhadores sem remuneração,

Competição de quem rouba mais,

Corrupção em todo plenário,

E é o povo quem fica sem salário.

Em cada estado, é um pior que o outro,

Salafrários, de cara cheia,

Empurrando miséria em nossa teia,

Nos chamando de aranhas,

Nos dando comida,

Com cheiro de insecticida….

 

(Rogério Woloszyn)

 

publicado por artedasao às 11:19

Quinta-feira, 25 de Outubro de 2012

Monsanto (Idanha-a-Nova)

                                    »»»»»»»»»»««««««««««

 

                                    »»»»»»»»»»««««««««««

Sim... Ainda estarei um dia, com você numa noite fria

Numa Cabana na serra

Uma cachoeira como orquestra

Nossa linda fantasia!

Serei tuas cobertas

Tuas certezas incertas

Seu amor em melodia

Serei o mais inesquecível dos teus lindos invernos!

Tapetes ao chão….

Duas taças

Beijos com sabores eternos

Vinho...

Roupas no chão

Teu corpo em Candura

Minha cândida degustação!

Quero

Embebedar-me da tua boca doce

Línguas quentes

Corpos entrelaçados feito nó

Faria de nós dois, um só 

Corpo

Alma e Mente

Nossos corpos, em brasas nos aqueceria em ardor

Com gula em seu íntimo

Me abrigarias

Como abelha na flor

De vinho e gozos lambuzados

Deliciosos desejos trocados

Um Sol Universal de Amor...

 

(Maria Amélia S. P. Alves)

 

 

publicado por artedasao às 11:10

Quarta-feira, 24 de Outubro de 2012

Trabalhadas com Técnica de Mergulho e Pintura Metálica

                                    »»»»»»»»»»««««««««««

                                    »»»»»»»»»»««««««««««

 

Que eu continue com vontade de viver, mesmo sabendo que a vida é, em muitos momentos, uma lição difícil de ser aprendida.

Que eu permaneça com vontade de ter grandes amigos, mesmo sabendo que, com as voltas do mundo, eles vão indo embora de nossas vidas.

Que eu realimente sempre a vontade de ajudar as pessoas, mesmo sabendo que muitas delas são incapazes de ver, sentir, entender ou utilizar essa ajuda.

Que eu mantenha meu equilíbrio, mesmo sabendo que muitas coisas que vejo no mundo escurecem meus olhos.

Que eu realimente a minha garra, mesmo sabendo que a derrota e a perda são ingredientes tão fortes quanto o sucesso e a alegria.

Que eu atenda sempre mais à minha intuição, que sinaliza o que de mais autêntico eu possuo.

Que eu pratique mais o sentimento de justiça, mesmo em meio à turbulência dos interesses.

Que eu manifeste amor por minha família, mesmo sabendo que ela muitas vezes me exige muito para manter sua harmonia.

E, acima de tudo...

Que eu lembre sempre que todos nós fazemos parte dessa maravilhosa teia chamada vida, criada por alguém bem superior a todos nós!

E que as grandes mudanças não ocorrem por grandes feitos de alguns e, sim, nas pequenas parcelas quotidianas de todos nós!

 

(Chico Xavier)

 

 

publicado por artedasao às 10:48

Terça-feira, 23 de Outubro de 2012

Castelo da Cidade de Belmonte

                                      »»»»»»»»««««««««

                                      »»»»»»»»««««««««

Para além da curva da estrada

Talvez haja um poço, e talvez um castelo,

E talvez apenas a continuação da estrada.

Não sei nem pergunto.

Enquanto vou na estrada antes da curva

Só olho para a estrada antes da curva,

Porque não posso ver senão a estrada antes da curva.

De nada me serviria estar olhando para outro lado

E para aquilo que não vejo.

Importemo-nos apenas com o lugar onde estamos.

Há beleza bastante em estar aqui e não noutra parte qualquer.

Se há alguém para além da curva da estrada,

Esses que se preocupem com o que há para além da curva da estrada.

 

Essa é que é a estrada para eles.

Se nós tivermos que chegar lá, quando lá chegarmos saberemos.

Por ora só sabemos que lá não estamos.

Aqui há só a estrada antes da curva, e antes da curva

Há a estrada sem curva nenhuma.

 

(Alberto Caeiro)

 

 

publicado por artedasao às 13:56

Segunda-feira, 22 de Outubro de 2012

Trabalhada com técnica de mergulho e pintura metálica

 

                                     »»»»»»»»««««««««

                                     »»»»»»»»««««««««

 

RECEITA DE BELEZA

 

Eis aqui uma boa receita para melhorar sua aparência, sem uso de cosméticos.

Para seus lábios use: "VERDADE"

Para sua voz use: "ORAÇÃO"

Para seus olhos use: "SIMPATIA"

Para suas mãos use: "CARIDADE"

Para sua atitude use: "PERDÃO"

Para seu coração use: "AMOR"

"Procure manter um sorriso durante todo tempo, aprenda a obter da vida

A alegria, dividindo-a com os outros."

"Lembre-se sempre que: A beleza está nos olhos de quem vê,

A beleza interior é que te coloca bem fisicamente."

 

SEJA FELIZ!

 

(Blandinne)

 

publicado por artedasao às 12:29

Domingo, 21 de Outubro de 2012

(Idanha-a-Nova)

                                   »»»»»»»»««««««««

                                   »»»»»»»»««««««««

Conta-se que numa Cidade do interior um grupo de pessoas se divertia com o idiota da aldeia.

Um pobre coitado, de pouca inteligência, vivia de pequenos biscates e esmolas.

Onde se reuniam e ofereciam a ele a escolha entre duas moedas:

Uma grande de 400 REIS e outra menor, de 2.000 REIS.

Ele sempre escolhia a maior e menos valiosa, o que era motivo de risos para todos.

Certo dia, um dos membros do grupo chamou-o e lhe perguntou; se ainda não havia percebido

Que a moeda maior valia menos.

- Eu sei! Respondeu o tolo. Ela vale cinco vezes menos, mas no dia que eu escolher a outra, a brincadeira acaba

E não vou mais ganhar minha moeda.

Pode -se tirar várias conclusões dessa pequena narrativa.

A primeira:

Quem parece idiota, nem sempre é.

A segunda:

Quais eram os verdadeiros idiotas da história?

A terceira:

Se você for ganancioso, acaba estragando sua fonte de renda.

A quarta, e mais interessante é: 

A percepção de que podemos estar bem, mesmo quando os outros não têm uma boa opinião a nosso respeito.

Portanto, o que importa não é o que pensam de nós, mas sim, quem realmente somos.

Moral da História

O maior prazer de uma pessoa inteligente é bancar o idiota, diante de um idiota que banca o inteligente.

 

(Aline Almeida)

 

 

publicado por artedasao às 11:49

Sábado, 20 de Outubro de 2012

                                     »»»»»»»»««««««««

                                     »»»»»»»»««««««««

A rosa vermelha, a mais doce e desejada entre todas as outras, simboliza o amor.

A rosa vermelha, a mais amena e admirada. Donaire tem sua cor.

 

Quando acompanhadas por rosas brancas,

O ramalhete assume vigor de união.

Um buquê dotado de esperanças,

Colecciona olhares de admiração.

 

Apresentando tons escuros, referem-se a uma inconsciente beleza;

''Não saia de perto de mim...'' -lhe diz a mãe Natureza.

 

Olhares fixam-se a elas,

E elas meigas e sensuais,

Tornando-se ainda mais belas

Para fixarmos mais.

 

Pétalas da paixão, ao serem contempladas, despertam suave prazer ao coração.

Pétalas da paixão, quando desabrochadas, narram terna e divina gratidão.

Pétalas da paixão fazem-me lembrar centelhas em noite de escuridão.

Pétalas da paixão, essência que motiva um eclipse da dor no coração.

 

Bonitas e espampanantes,

Lembrando belos amantes.

Chamativas e perfumadas,

Para lindas horas esperadas.

 

(Paloma Fernanda)

 

 

publicado por artedasao às 10:52

Sexta-feira, 19 de Outubro de 2012

Vale Feitoso (Idanha-a-Nova)

                                    »»»»»»»»««««««««

 

                                    »»»»»»»»««««««««

Os caminhos da vida por vezes levam-nos por estradas em planícies onde nada muda, a paisagem é uniforme e percorre-la; não exige qualquer esforço.  

Mas quando entramos numa estrada sinuosa, sem visibilidade, cheia de buracos, de cruzamentos e entroncamentos, por montanhas e vales?

Por vezes temos que parar para descansar...

Desviarmo-nos dos buracos... Sair deles, por vezes com arranhões por outras com feridas mais ou menos profundas!

Mas...E a paisagem?

E a surpresa depois de uma curva apertada?

E o que crescemos quando escolhemos um caminho que não existe no mapa?

E o gosto da vitória quando saímos ilesos dos buracos?

E a paisagem linda de cortar a respiração quando chegamos ao topo da montanha?

E as escolhas que fazemos quando estamos à beira do abismo?

O que seria a vida sem este misto de aventura e risco?

 

(Virgínia Marrachinho)

 

 

publicado por artedasao às 11:03

Quinta-feira, 18 de Outubro de 2012

Monsanto (Idanha-a-Nova)

                                     »»»»»»»»««««««««

                                     »»»»»»»»««««««««

O sino da minha aldeia,

Dolente na tarde calma,

Cada tua badalada

Soa dentro de minha alma.

 

E é tão lento o teu soar,

Tão como triste da vida,

Que já a primeira pancada

Tem o som de repetida.

 

Por mais que me tanjas perto

Quando passo, sempre errante,

És para mim como um sonho.

Soas-me na alma distante.

 

A cada pancada tua,

Vibrante no céu aberto,

Sinto mais longe o passado,

Sinto a saudade mais perto.

 

(Fernando Pessoa)

 

 

publicado por artedasao às 11:10

Quarta-feira, 17 de Outubro de 2012

Monsanto (Idanha-a-Nova)

                               »»»»»»»»««««««««

                                      

                                »»»»»»»»««««««««

Uma flor no meio da calçada

Tão delicada que poderia ser levada pelo vento

Nasceu ali mesmo, do nada

De uma rachadura que se abriu no cimento

 

Flor raquítica de talo fino,       

Que temia ser pisada

Qual seria o seu destino?

Foi nascer justo no meio da calçada!

 

Os humanos trafegavam perto dela

Rostos sérios ou risonhos e nem olhavam para ela

De repente a flor rosa ficou amarela de medo

Pois quase foi pisoteada,

A coitada não queria morrer tão cedo!

 

Ah sorte dela foi o olhar sensível de uma criança

Que a viu de longe e a levou dali

E a plantou num vaso de esperança

Então a flor rosa se desenvolveu muito frondosa

Mostrava toda a sua beleza e estava orgulhosa!

 

Ela parecia dizer a todo mundo:

-Olha; estou aqui,

Eu sobrevivi por causa do amor de uma criança!

E dizia aos quatros ventos,

” Que quem espera sempre alcança”!

Queria dizer a todos que estava feliz da vida!

E que nós temos que ter fé, mesmo sendo rosa,

Cravo, crisântemo ou margarida!

 

No jardim imenso que é a vida, nós somos como as flores

Que nascem das sementes e são de todas as cores

Que sobrevivem em meio a uma tempestade de verão

Pois quem luta e se agarra no ultimo fio,

Sempre encontra uma solução!

 

Se você for uma pessoa que se sente abandonada

E só encontra obstáculos na sua estrada,

Faça como a flor que não se entregou!

Desviou, desviou...

E mesmo com a tristeza de ter nascido no meio do cimento

Sofreu, lutou, venceu

E para as outras flores se tornou um exemplo!

 

Hoje a flor rosa está sorrindo e já sofreu até demais

E vive num vaso de esperança, numa vida de paz

Ela está radiante e se sente revigorada

Porque mostrou o quanto é resistente,

Sobreviveu as agruras de uma calçada!

 

Janete Sales ( Dany)

 

publicado por artedasao às 11:43

Terça-feira, 16 de Outubro de 2012

Altar do Mundo (Fátima)

                                      »»»»»»»»««««««««

 

                                      »»»»»»»»««««««««

Santa Maria! Volve o teu olhar tão belo,

De lá dos altos céus, do teu trono sagrado,

Para a prece fervente e para o amor singelo

Que te oferta, da terra, o filho do pecado.

 

Se é manhã, meio-dia, ou sombrio poente,

Meu hino em teu louvor tem, ouvido Maria!

Sê, pois, comigo, ó Mãe de Deus, eternamente,

Quer no bem ou no mal, na dor ou na alegria!

 

No tempo que passou veloz, brilhante,

Quando nunca nuvem qualquer meu céu escureceu,

Temeste que me fosse a inconstância empolgando

E guiaste minha alma a ti, para o que é teu.

 

Hoje, que o temporal do Destino ao Passado

E sobre o meu Presente espessas sombras lança,

Fulgure ao menos meu Futuro, iluminado

Por ti, pelo que é teu, na mais doce esperança.

 

(Edgar Allan Poe)

 

 

publicado por artedasao às 11:37

Segunda-feira, 15 de Outubro de 2012

Rota dos Fosseis (Idanha-a-Nova)

                                      »»»»»»»»««««««««

                                      »»»»»»»»««««««««

Este meu cantinho

...é tão especial.

Um recanto onde gosto de me esconder.

Tão meu. Tão seu.

Não faço versos sobre acontecimentos.

Apenas escrevo o que sinto sem medo de errar.

O meu blogue é um lugar especial mesmo virtual que encontrei para que meus amigos distantes compartilhem comigo um pouco de mim e do que eu gosto.

Um espaço simples, virtual, mas cheio de amor.

Um espaço onde coloco, quando tenho, os meus trabalhos de Arte Decorativa e fotografia.

Cada mensagem, cada texto postado de minha autoria ou não são colocadas com carinho.

Gostaria muito que os meus visitantes sentissem como se estivessem comigo a ler meus escritos e os pensamentos de escritores do qual muito admiro.

Espero que postem comentários aos textos e tirem o maior proveito possível do que lerem.

Sejam bem-vindos à “minha casa virtual”

Beijos para todos.

 

(Arte da São)

 

 

publicado por artedasao às 12:03

Domingo, 14 de Outubro de 2012

Guimarães Capital Europeia da Cultura

 

(Feira Medieval)

                                      »»»»»»»»»«««««««

                                      »»»»»»»»««««««««

Lágrimas e risos!

Não há mais entrada na minha porta

Ela está fechada, eu joguei a chave fora

Amanhã quem sabe eu me arrependa

Porém hoje a calmaria é a minha senda

 

Engraçado, ontem eu sorria!

Eu até escrevi alguns versos de alegria

Só que hoje me veio o imprevisto, dia de sol com chuvisco!

Uma vontade imensa de esquecer que eu existo

 

Quando a música cessou eu estava em festa

E agora só o silêncio é o que me resta

Eu aprontava as malas para uma grande viagem

Eu me vesti de princesa e roubaram a carruagem!

 

Eu delirava acordada e de repente eu despertei

E devastaram o universo inteiro enquanto eu me ausentei!

Eu caminhava em solo firme em direcção do amor,

Eu me perdi pelo caminho e encontrei a dor!

 

Eu velejava num barco em alto mar

E uma onda gigantesca apareceu para me abocanhar

Eu estava quase chegando ao topo do morro

Eu deslizei e nem deu tempo de eu pedir socorro!

 

Na minha piscina havia água limpa e cristalina

Mas ficou turva por causa da minha tristeza repentina!

Eu andava sobre as nuvens lá no paraíso

Elas sumiram, eu caí; eu perdi o piso!

 

De manhã o meu jardim estava vestido de flores

De noite elas murcharam e perderam as cores!

Em um ano eu obtive tudo o que eu queria

Em poucas horas tudo foi carregado pela ventania!

 

Eu estava esmorecendo e eu me amparei na última oportunidade

Então ceifaram a esperança e eu percebi a minha fragilidade

Eu cantava em voz alta a mais linda melodia

E as cortinas se fecharam enquanto eu sorria!

 

Eu percorri um longo caminho para chegar neste desfecho:

Que um dia eu vou sentir dor e no outro a felicidade que eu tanto almejo

Se o meu sorriso persistisse para sempre, algo estaria errado!

Pois eu necessito das lágrimas para avançar com mais cuidado!

 

(Janete Sales ( Dany))

 

 

publicado por artedasao às 13:35

Sábado, 13 de Outubro de 2012

Cidade Berço (Guimarães)

                                    »»»»»»»»««««««««

                                    »»»»»»»»««««««««

 

Se você abre uma porta, você pode ou não entrar em uma nova sala. Você pode não entrar e ficar observando a vida. Mas se você vence a dúvida, o temor, e entra, dá um grande passo: nesta sala vive-se! Mas, também, tem um preço... São inúmeras, outras portas que você descobre. Às vezes curte-se mil e uma. O grande segredo é saber quando e qual porta deve ser aberta. A vida não é rigorosa, ela propicia erros e acertos. Os erros podem ser transformados em acertos quando com eles se aprende. Não existe a segurança do acerto eterno. A vida é generosa, a cada sala que se vive, descobre-se tantas outras portas. E a vida enriquece quem se arrisca a abrir novas portas. Ela privilegia quem descobre seus segredos e generosamente oferece afortunadas portas. Mas a vida também pode ser dura e severa. Se você não ultrapassar a porta, terá sempre a mesma porta pela frente. É a repetição perante a criação, é a monotonia monocromática perante a multiplicidade das cores, é a estagnação da vida... Para a vida, as portas não são obstáculos, mas diferentes passagens!

 

(Içami Tiba)

 

 

publicado por artedasao às 10:55

Sexta-feira, 12 de Outubro de 2012

(Trevo da Felicidade)      

                                 »»»»»»»»««««««««

 

                                       »»»»»»»»««««««««

A Idade de Ser Feliz

 

Existe somente uma idade para a gente ser feliz,

Somente uma época na vida de cada pessoa

Em que é possível sonhar e fazer planos

E ter energia bastante para realizá-las

A despeito de todas as dificuldades e obstáculos.

 

Uma só idade para a gente se encantar com a vida e viver apaixonadamente

E desfrutar tudo com toda intensidade

Sem medo, nem culpa de sentir prazer.

 

Fase dourada em que a gente pode criar

E recriar a vida,

Á nossa própria imagem e semelhança

E vestir-se com todas as cores

E experimentar todos os sabores

E entregar-se a todos os amores

Sem preconceito nem pudor.

 

Tempo de entusiasmo e coragem

Em que todo o desafio é mais um convite à luta

Que a gente enfrenta com toda disposição

De tentar algo NOVO, de NOVO e de NOVO,

E quanta vez for preciso.  

 

Essa idade tão fugaz na vida da gente

Chama-se PRESENTE

E tem a duração do instante que passa.

 

(Autor Desconhecido)

 

 

publicado por artedasao às 11:03

Quinta-feira, 11 de Outubro de 2012

                                       »»»»»»»»««««««««

 

                                       »»»»»»»»««««««««

ALMA NUA

 

Ó Pai, não deixes que façam de mim

O que da pedra, tu fizestes

E que a fria luz da razão

Não cale o azul da aura que me vestes.

 

Dá-me leveza nas mãos

Faze de mim, um nobre domador

Lançando acordes e versos

Dispersos no tempo

Pró templo do amor.

 

Que se tiver que ficar nu

Hei-de envolver-me em pura poesia

E dela farei minha casa, minha asa

Loucura de cada dia.

 

Dá-me o silêncio da noite

Pra ouvir o sapo namorando a lua

 

Dá-me o direito ao açoite

Ao ócio, ao cio

A vadiagem pela rua.

 

Deixa-me perder a hora

Pra ter tempo de encontrar a rima

Ver o mundo de dentro pra fora

E a beleza que aflora de baixo pra cima.

 

Ó Meu Pai dá-me o direito

De dizer coisa sem sentido

De não ter que ser perfeito

Pretérito, sujeito, artigo definido.

 

De me apaixonar todo dia

De ser mais jovem que meu filho

E ir aprendendo com ele

A magia de nunca perder o brilho.

 

Virar os dados do destino

De me contradizer, de não ter meta

Me reinventar, ser meu próprio Deus

Viver menino, morrer poeta.

 

(Vander Lee)

 

publicado por artedasao às 14:35

Quarta-feira, 10 de Outubro de 2012

Cidade Berço (Guimarães)

                                      »»»»»»»»««««««««

 

                                      »»»»»»»»««««««««

Viajante

 

De mochila nas costas

E espírito aventureiro no coração

Estou pronto a conhecer

Novos lugares

Desfrutar de muita emoção...

A Europa me fascina

Com suas antigas cidades

História

Gastronomia

Tudo bem ali na próxima esquina

As cidades que explorar

São imagens que não saem dos meus sonhos

São sonhos que desejo realizar

Lisboa... Porto... Guimarães...

Valência... Madrid... Barcelona...

Cada lugar com sua beleza

São destinos para nunca mais esquecer

De trem ou comboio

Não importa como

Visualizando lindas paisagens

As noites são frias

Mas quentes são os dias

Enfim chegou a hora

De regressar para casa.

Viajar é tudo...

É sonho...

É infinita magia...

Que nos faz imaginar.

 

(Marcelo Fouquet Rosembrock)

 

publicado por artedasao às 11:52

Terça-feira, 09 de Outubro de 2012

Vista do Rio Douro (Zona da Régua)

                                  »»»»»»»»««««««««

                                  »»»»»»»»««««««««

Quando a solidão insiste em aparecer

Para altos montes eu fujo a correr

Por mais que corra ela não me alcança

Ela é velha e eu sou criança

 

Se um dia me alcançar

Comigo pra sempre irá ficar

Mas eu corro entre a relva molhada

E por mais que corro não fico cansada

 

A luz da lua ilumina meus passos

E para muito longe leva meu cansaço

Enquanto a solidão enfurecida

Cai na grama estarrecida

 

Agora livre de suas garras tortuosas

Danço entre as flores, me sinto poderosa

A alegria que sinto agora

Sei que nunca mais irá embora

 

(Patrícia Casavelha)

 

publicado por artedasao às 12:36

Segunda-feira, 08 de Outubro de 2012

Porta de Loja na Cidade de Guimarães aquando da Feira Medieval

                                     »»»»»»»»««««««««

 

                                       »»»»»»»»««««««««

Casa das Cordas

 

Passei na rua e vi uma loja onde na placa dizia:

“Cordas são únicas no mundo venha e garanta a sua! "

Eu curiosa que só, entrei e perguntei ao rapaz que estava com as cordas na mão e perguntei:

- Moço para que servem essas cordas?

E o moço sorridente respondeu:

- Essas são as cordas da união, você as leva e entrega a outra ponta a quem quiser, se a pessoa quiser e você também, onde quer que vocês estejam cada um estará com uma ponta. Se o que vocês sentem for cada vez maior, a corda se torna muito mais forte... Tudo depende de vocês e do quão sincero são os sentimentos. Se a outra pessoa não quiser e soltar, você pode enviar uma nova cordinha, mas ela será mais frágil e é necessário esforço em dobro para deixá-la forte.

Eu muito confusa mas muito empolgada perguntei:

- Quanto custa? Quero 5!

O moço (sempre sorridente) respondeu:

- Nada são de graça, as cordas não têm preço, elas valem o que você, realmente sente, e duram de acordo com a FORÇA que cada um tem para segurá-la.

Eu: Posso dar a corda para a mesma pessoa, quantas vezes?

Ele: Quantas, você quiser….

 

(Jacqueline Amanda da Silva Moraes)

 

publicado por artedasao às 12:17

Domingo, 07 de Outubro de 2012

Jardim da Casa D. Nuno (Fátima)

                                      »»»»»»»»««««««««

                                      »»»»»»»»««««««««

A Pedra.

O distraído tropeçou nela.

O violento a utilizou como projéctil.

O empreendedor a usou para construir.

O camponês, cansado, transformou-a numa cadeira e se sentou.

Para as crianças, foi um brinquedo.

Davi a utilizou para matar Golias.

E Michelangelo a transformou na mais bela das esculturas.

A diferença não está na pedra, e sim no homem.

 

(António Pereira (Apon)

 

 

publicado por artedasao às 13:57

pesquisar
 
Outubro 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9





Últ. comentários
Olá Maria da Conceição!Encontrei ao acaso o seu bl...
Gostei imenso... De encontrar esses versos soltos ...
Maravilhosa tarde de segunda-feira para ti doce am...
Muito interessante!! Eu nunca tinha visto jarros c...
Uma fotografia muito linda!! Adoro pavões!!
Mais um belo poema e uma fotografia perfeita!!
Gostei muito deste poema!! Verdadeiramente encanta...
Muito linda
Ouvir o eco de nossas próprias palavras nos dá a i...
Belo poema, imagem ainda melhor!Dylan
Últ. comentários
Olá Maria da Conceição!Encontrei ao acaso o seu bl...
Gostei imenso... De encontrar esses versos soltos ...
Maravilhosa tarde de segunda-feira para ti doce am...
Muito interessante!! Eu nunca tinha visto jarros c...
Uma fotografia muito linda!! Adoro pavões!!
Mais um belo poema e uma fotografia perfeita!!
Gostei muito deste poema!! Verdadeiramente encanta...
Muito linda
Ouvir o eco de nossas próprias palavras nos dá a i...
Belo poema, imagem ainda melhor!Dylan
subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro