TRABALHOS de ARTES DECORATIVAS em: Madeira, Vidro, Velas, Chacota, Arte Floral, Eva, Patchwork, Pintura, Fotografia e Scrapbooking

Segunda-feira, 31 de Dezembro de 2012

(Caixa em Mdf Craquelada)

 

                                 »»»»»»»»»»««««««««««

 

 

 

                                 »»»»»»»»»»««««««««««

 

A Rosa Azul

 

Ouvi falar de uma rosa

Flor lendária e misteriosa

Que eu julgava inexistente

Flor que eu havia encontrado

Tão bela e atraente

De perfume delicado

O perfume do pecado!!!

Nem notei os seus espinhos

Eu já estava enfeitiçado

Com ela tracei o meu caminho

Na sua direcção orientei meus sentimentos

Mas que bobo, ela não era a rosa-dos-ventos

Mais uma vez fiquei atónito

Vi que meu Norte apontava para o Sul

Ela era a Rosa do amor platónico

Ela era a Rosa Azul!!

 

(Jorge Freitas Lopes)

 

publicado por artedasao às 12:20

Domingo, 30 de Dezembro de 2012

(Um último Olhar na Capital Europeia da Cultura 2012 Guimarães)

 

                           »»»»»»»»»»««««««««««

 

 

 

                           »»»»»»»»»»««««««««««

 

 

Vamos Fazer um Ano Novo?

 

A passagem de ano não é um divisor de águas, uma mudança forçada e muito menos remissão e perdão instantâneo, é apenas uma regra cronológica e padrão. Por que esperar trinta e um de Dezembro à meia-noite para ligar a entes queridos afastados e que por algum motivo deixaram de se falar, para dizer que ama aquele alguém que tanto lhe estimava e você o feriu com o silêncio e a dúvida, para dar um abraço apertado em um grande amigo e dizer o quanto ele é importante, para vestir aquela roupa nova e desejar com fé que seus sonhos irão se realizar, para começar a fazer uma academia e levar a sério aquele regime que tanto precisa, para se desfazer de coisas que não lhe servem mais e não são úteis, para praticar o desapego material, para dar presentes e escrever um cartão com sentimentos, para reunir toda a família e se sentarem juntos à mesa e se olharem com ternura, para pedir paz e menos violência, para reflectir sobre seus erros e pedir perdão, para conversar com seu filho e ouvir o que ele tem para te dizer, para sair mais cedo do trabalho e passar em uma floricultura e surpreender alguém e recuperar algo considerado irrecuperável, para acordar mais cedo e ver o sol nascer, para começar um curso novo que acrescente no seu crescimento profissional e pessoal, para aprender a se motivar com algo sólido e possível, para viajar e conhecer pessoas e lugares diferentes e ter do que se lembrar, para acreditar que sonhos são reais independentes do tempo que possa levar para se concretizarem e para se encontrar com Deus e agradecer por todas as bênçãos e conquistas diárias. Façamos tudo o que há para ser feito durante o decorrer do ano e da vida, não esperemos até a explosão dos fogos-de-artifício, pois, talvez não estejamos lá para dedicar todos esses projectos e remissões, ou então, as pessoas que amamos já podem ter partido e desperdiçamos a grande oportunidade de sermos mais humanos. Este é o momento e pode parecer cliché o que irei dizer, mas, o amanhã é incerto e improvável. Feliz 2013 e entre subtis sons emanados das taças de champagne e da energia renascentista que exala de nossas almas acredite que a grande virada pode ser dada hoje, basta empenharmos o mesmo sentimento contagiante do Ano Novo no simples agora, que nos pertence.

 

(Pietro Kallef)

 

publicado por artedasao às 11:50

Sábado, 29 de Dezembro de 2012

(Decorada com Folha de Alumínio)

 

                            »»»»»»»»»»««««««««««

 

 

 

                             »»»»»»»»»»««««««««««

 

Amigo de Verdade

 

Sou a voz desesperada que grita no deserto

Em teu coração faço morada

Compartilho contigo meus anseios

E tu, amigo, me encontrastes

Em tua mente encontro espaço

Te faço conhecer os meus sonhos

Por ti, me transformo num exército

Só para te defender.

Se me chamas

Estou pronto a te servir

Não há muros nem barreiras

Para separar nossa amizade

Se tu estás triste, choro contigo

Se tu estás feliz, me alegro contigo

Se vais para a guerra, serei a linha de frente

Se paras de guerrear, serei a bandeira branca

Sou confissão, sou ouvidos

Sou aquele que te estende a mão

Sou aquele que compartilha

O momento e a decisão

Mas se não fosse nada disso

Seria apenas um simples amigo

Atento a qualquer reacção

Sou seu amigo, de coração.

 

(Clayton Montarroyos)

 

publicado por artedasao às 10:49

Sexta-feira, 28 de Dezembro de 2012

(Vista lateral da Igreja Santa Clara junto ao Mosteiro com o mesmo nome em Vila do Conde)

 

                                  >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

                                  >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

Todo dia é um novo dia

Tem um novo ser

Tem um novo ver

Tem novas vontades

E antigas amizades

 

Todo dia tem um novo jeito

Tem um grito no peito

Tem um rio no leito

Tem um antigo moinho

E águas que não vão voltar

 

Todo dia tem um ar de esperança

Tem gente que se levanta

Tem gente que canta

Tem quem fique

E não deixa a vida acabar

 

Todo dia pode ser diferente

Tem um mesmo sol

Tem um outro perceber

Tem um mesmo caminho

E o andar de um novo ser

 

Todo dia é dia de começar outra vez

Tem um mesmo lugar

Tem um outro fazer

Tem antigos personagens

E novas histórias a contar

 

(Pablo Massolar)

 

publicado por artedasao às 11:20

Quinta-feira, 27 de Dezembro de 2012

(Vela decorada com galão)

 

                           >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

                           >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

Sou uma nuvem negra no Céu

Prestes a chover

Sou a letra triste no papel

Que o poeta começou a escrever.

Sou a mulher branca, negra, mulata,

Sou a loura, a morena e a parda.

Sou a mulher magra e a alta.

Sou a mulher pequena e a gorda.

Sou enfermeira

E psicóloga

Sou professora

Sou sexóloga.

Sou a dona de casa e chefe também.

Sou doméstica no meu lar.

Sou guia espiritual que diz amém

Sou eu mesma quem guia meu caminhar.

Sou do Norte e do Nordeste

Represento a mulher Portuguesa

Sou do Sul, Sudeste, Centro-o este;

Sou de Portugal, mas não discrimino a estrangeira.

Sou a tristeza e a alegria

Sou o riso, o choro, a amizade.

Sou a melancolia e a euforia

Sou o abraço da saudade.

Sou a mulher labareda

Onde o fogo foi meu algoz

Sou a vitória e sou a perda

Sou a nascente de um rio e sou a foz.

Sou Joana D’Arc, não tenho medo

Sou a chegada e sou a saída

Sou o calor dos ágeis dedos

Da poetisa que me deu a vida.

 

(Autor Desconhecido)

 

publicado por artedasao às 11:19

Quarta-feira, 26 de Dezembro de 2012

(Freguesias com nomes interessantes em Portugal)

 

                         >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

                         >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

Viajar

 

É uma vontade um desejo explorando lugares conhecendo pessoas interagindo com o local contemplando belas imagens momento único que ficam registadas na retina o cérebro guarda tudo Belezas Naturais... Belezas; locais... Rios, mares, oceanos muralhas...construções milenares fortificações que algum dia... Num passado distante serviram de lar, casa e abrigo.

Viajar é levar na mochila pouca coisa e trazer outras tantas gravadas na memória.

Europa... Berço da civilização contemporânea onde nasceram e viveram nossos antepassados.

Viajar é fazer história escrever versos "prosear" histórias divagar um pouco contar "causas" vividas noites mal dormidas comidas deliciosas outras nem tanto muito mal digeridas mas valeu a pena tudo vale a coisas boas ficam as ruins se perdem no tempo.

Viajar é lindo... Mas melhor parte vem agora voltar para casa.

Rever amigos...familiares

Viajar é óptimo mas voltar é ainda melhor.

 

(Marcelo Fouquet Rosembrock)

 

publicado por artedasao às 11:19

Terça-feira, 25 de Dezembro de 2012

(Vela com Laço e Flor)

 

                           >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

                           >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

Eu tenho pena da Lua!

Tanta pena, coitadinha,

Quando tão branca, na rua

A vejo chorar sozinha!...

 

As rosas nas alamedas,

E os lilases cor da neve

Confidenciam de leve

E lembram arfar de sedas

 

Só a triste, coitadinha...

Tão triste na minha rua

Lá anda a chorar sozinha...

 

Eu chego então à janela:

E fico a olhar para a lua...

E fico a chorar com ela!...

 

(Florbela Espanca)

 

publicado por artedasao às 10:30

Segunda-feira, 24 de Dezembro de 2012

(Avenida dos Aliados)

 

                                  >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

                                  >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

A Cidade do meu amor

 

A Cidade do meu amor,

Era simples no seu sonhar.

O casario em fileiras, ruas enfeitadas de flores

E, um jardineiro generoso a capinar,

Não permita que, viessem a brotar

Em meio a tanta beleza, os espinhos das dores.

 

Como eram floridos os jardins da minha Cidade...

E o bom jardineiro, de tudo, cuidava com carinho.

As flores, em seus muitos matizes, à beira do caminho,

Faziam da pedregosa estrada, mais curta e suave!

 

Antes que o teu amor nela fizesse morada

Parecia uma Cidade de contos de fada

Sem tristeza, sem lágrimas, sem mágoa

E de portas abertas à felicidade!

 

Mas, o vento impetuoso do teu amor

Em pouco tempo, cobriu o meu mundo de dor

Deixando a minha bela e florida Cidade

Imersa nas cinzas venenosas da saudade!

 

(Josenete Dantas)

 

publicado por artedasao às 11:15

Domingo, 23 de Dezembro de 2012

(Craquelada com Aplicações)

 

                              >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

                              >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

Soneto do Desmantelo Azul

 

Então, pintei de azul os meus sapatos

Por não poder de azul pintar as ruas,

Depois, vesti meus gestos insensatos

E colori as minhas mãos e as tuas,

 

Para extinguir em nós o azul ausente

E aprisionar no azul as coisas gratas,

Enfim, nós derramamos simplesmente

Azul sobre os vestidos e as gravatas.

 

E afogados em nós, nem nos lembramos

Que no excesso que havia em nosso espaço

Pudesse haver de azul também cansaço.

 

E perdidos de azul nos contemplamos

E vimos que entre nós nascia um sul

Vertiginosamente azul. Azul.

 

(Carlos Pena Filho)

 

publicado por artedasao às 10:59

Sábado, 22 de Dezembro de 2012

(Vista da Câmara Municipal do Porto Parte Traseira)

 

                                >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

 

                                >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

A miséria do meu ser

 

A miséria do meu ser,

Do ser que tenho a viver,

Tornou-se uma coisa vista.

Sou nesta vida, um qualquer

Que roda fora da pista.

 

Ninguém conhece quem sou

Nem eu mesmo me conheço

E, se me conheço, esqueço,

Porque não vivo onde estou.

Rodo, e o meu rodar apresso.

 

É uma carreira invisível,

Salvo onde caio e sou visto,

Porque cair é sensível

Pelo ruído imprevisto...

Sou assim. Mas isto é crível?

 

(Fernando Pessoa)

 

 

publicado por artedasao às 15:00

Sexta-feira, 21 de Dezembro de 2012

(Vela com Arranjo Alusivo ao Natal)

 

                           >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

                           >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

Saudosismo...

 

Hoje lembrei daquele sonho antigo

Senti saudade e chorei baixinho

Hoje queria ter aquele amigo

Que através dos anos sombreou meu caminho

 

Hoje ao lembrar de alguns momentos

Senti quão imenso é esse vazio

Que atravesso através dos tempos

Neste meu destino sombrio

 

Então abracei mais uma vez a madrugada

Velejei nesse meu mar de pensamentos

Até que me encontrei cansada

 

Hoje senti que muito pouco espero, dessa espera

O quanto já encontrei nessa busca

Mesmo que nada mais seja como era.

 

(Dilean de Bragança)

 

publicado por artedasao às 10:21

Quinta-feira, 20 de Dezembro de 2012

(Um Olhar na Avenida dos Aliados, Porto)

 

                                >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

                                >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

O farol de uma avenida

Estava muito preocupado

Pois alguém o abraçava

E chorava angustiado

 

"Pare de chorar, menino

E me deixe trabalhar

Se eu não acender minhas luzes

Alguém pode se machucar"

 

O menino olhou para cima

Com as lágrimas a rolar

"Não se zangue, oh farol

Pois minha vida é só chorar"

 

"Perdi toda minha família

Sou um menor abandonado

Não tenho casa, nem estudo

Vivo no mundo jogado"

 

O farol lhe respondeu

"Agora vou ter de me fechar

Mas, acalme-se, oh menino

Alguém te vai ajudar"

 

Os carros todos paravam

Vendo o farol fechado

E o menino aproveitava

Para ganhar um "trocado"

 

Uma motorista disse

Com todo amor e carinho

"Eu preciso de você

Para ser o meu filhinho"

 

(Simplesmenteene)

 

publicado por artedasao às 11:22

Quarta-feira, 19 de Dezembro de 2012

(Em Madeira Pintada e Craquelada)

 

                          >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

                          >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

Amiga

 

Trata com todo carinho

O amigo velho o maior

Que a amizade é como vinho...

Quanto mais velha melhor.

 

Se tens esperança amiga

Protege-a a cada momento

Pois ela é candeia antiga

E na terra há muito vento

 

Moça, formosa, querida

És pura assim como um templo

Que os outros amem a vida

Por causa do teu exemplo

 

Não odeies, nem um segundo

Mesmo aquele que te odeia

Que a gente colhe no mundo

Tudo aquilo que semeia

 

Sê boa que é que te custa?

Perdoar apenas perdoa

Mas sobretudo sê justa

Que inda é melhor que ser boa

 

Ri para o instante que passa

Cada vez mais satisfeita

Porque só existe graça

Onde a alegria é perfeita

 

E enche tua mocidade

De um afecto superior

só vêem a felicidade

Os que se encontram no amor.

 

(Cleomenes Campos)

 

publicado por artedasao às 11:04

Terça-feira, 18 de Dezembro de 2012

(Arame Farpado Enrolado)

 

                               >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

                               >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

ARAMES FARPADOS

 

O amor quando vem e aplaca seu coração é porque já dominou tua mente, tomou conta de seus sentidos, e retirou de ti a rara calma de uma vida sem novidades...

Teu corpo é tomado por calafrios, teu coração vibra acelerado na simples lembrança da figura amada, te transformas em um guerreiro, dribla a covardia de toda uma vida, sente-se indiferente as convenções, esquece a moral e ultrapassa os limites...

Teu amor não vê fronteiras, distâncias ou estado cível, ele é impulsivo e atrevido, é inocente e possessivo...

Pelo amor, te lanças de uma montanha sem lembrar do pára-quedas, te jogas no oceano sem sequer saber nadar, entra na jaula de um leão faminto e o, doma com um simples olhar...

Mas ao ser desprezado, chora, revolta-se, deseja a morte, experimenta o ódio promete vingança...

Esquece nunca ter recebido um olhar em troca uma palavra de incentivo ou um mero gesto de carinho

Abnega a realidade

Pois em tua versão aquele amor é recíproco...

Alimenta a dor, corre atrás, insiste, grita, remexe a ferida...

Derrotado, lastima-se, insurgi, saboreia o sofrimento, isola-se na solidão e, perdido destrói a rosa que representava aquela paixão...

Sente seu coração cercado por arames farpados que a qualquer minúsculo rompante, qualquer bater mais excitado será mortalmente ferido e verá junto com o sangue vertido o amor imprudente que para ti continua mal resolvido.

 

(Janna Teixeira)

 

publicado por artedasao às 14:17

Segunda-feira, 17 de Dezembro de 2012

(Caixa com Colagem e Pintura)

 

                                 >>>>>>>>>>><<<<<<<<<

 

 

                                 >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

"Eu sou...

 

Eu sou os livros que leio, os lugares que conheço, as pessoas que amo.

Eu sou as orações que faço, as cartas que recebo, os sonhos que tenho.

Eu sou as decepções por que passei, as pessoas que perdi, as dificuldades que superei.

Eu sou as coisas que descobri, as lições que aprendi, os amigos que encontrei.

Eu sou os pedaços de mim que levaram, os pedaços de alguns que ficaram, as memórias que trago.

Eu sou as cores de que gosto, os perfumes que uso, as músicas que ouço.

Eu sou os beijos que dei, sou aquilo que deixei e aquilo que escolhi.

Eu sou cada sorriso que abri, cada lágrima que caiu, cada vez que menti.

Eu sou cada um dos meus erros, cada perdão que não soube dar, cada palavra que calei.

Eu sou cada conquista alcançada, cada emoção controlada, cada laço que criei.

Eu sou cada promessa cumprida, cada calúnia sofrida, a indiferença que se formou.

Eu sou o braço que poucas vezes torceu, a mão que muita outra se estendeu, a boca que não se calou.

Eu sou as lembranças que tenho, os objectivos que traço, as mudanças que sofrerei.

Eu sou a infância que tive, sou a fé que carrego e o destino que reinventei."

 

(Autor desconhecido)

 

publicado por artedasao às 12:27

Domingo, 16 de Dezembro de 2012

(Cidade de Guimarães Capital Europeia da Cultura 2012)

 

                                  >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

                                  >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

Pedras e Flores

 

As pessoas são muito reactivas: costumam retribuir exactamente; aquilo que recebem. Retribuem o bem com o bem, e o mal com o mal. Mas tu, para seres imensamente feliz, procederás diferente:

Retribua com flores a todas as pedras que te atirarem.

Haverá um momento em que as pedras de teus inimigos acabarão, e assim eles só poderão atirar em você as próprias flores que receberam de ti.

 

(Augusto Branco)

 

publicado por artedasao às 14:28

Sábado, 15 de Dezembro de 2012

(Vela Natalícia com Aplicação)

  

                        >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

                           >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

Personagem

 

Teu nome é quase indiferente

E nem teu rosto mais me inquieta.

A arte de amar é exactamente

A de se ser poeta.

 

Para pensar em ti, me basta

O próprio amor que por ti sinto:

És a ideia, serena e casta,

Nutrida do enigma do instinto.

 

O lugar da tua presença

É um deserto, entre variedades:

Mas nesse deserto é que pensa

O olhar de todas as saudades.

 

Meus sonhos viajam rumos tristes

E, no seu profundo universo,

Tu, sem forma e sem nome, existes,

Silêncio, obscuro, disperso.

 

Teu corpo, e teu rosto, e teu nome,

Teu coração, tua existência,

Tudo - o espaço evita e consome:

E eu só conheço a tua ausência.

 

Eu só conheço o que não vejo.

E, nesse abismo do meu sonho,

Alheia a todo outro desejo,

Me decomponho e recomponho.

 

(Cecília Meireles)

 

publicado por artedasao às 10:09

Sexta-feira, 14 de Dezembro de 2012

(Um Olhar ao Espumante a descansar numa das caves em Águeda)

 

                                  >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

                                  >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

Eu era branco e preto

As pessoas eram brancas e pretas

As luzes brancas, o asfalto preto

O carro branco, a noite preta

Tudo era branco e preto.

 

O ambiente era branco e preto

A conversa era branca e preta

A cadeira era branca, a mesa preta

O garçom usava camisa branca e calça preta.

 

De repente, um drinque colorido, * extremamente colorido, inebriantemente colorido,

Aquele piano de teclas brancas e pretas – ficou colorido.

E a sua ausência colorida, tão insuportavelmente colorida que a minha vida ficou branca e preta.

 

(Carlucho Vitaliano)

 

publicado por artedasao às 10:14

Quinta-feira, 13 de Dezembro de 2012

Oxalá pudéssemos meter o espírito de natal em jarros e abrir um jarro em cada mês do ano.

 

(Harlan Miller)

 

Desejamos a todos vocês e Famílias um Feliz Natal, com Amor, Paz, Alegria e União.

 

                               >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

                               >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

Para o Ano Novo, desejamos que:

 

"...se for para fazer guerra, que seja de travesseiro.

 Se for para ter solidão, que seja no chuveiro.

 Se for para perder, que seja o medo.

 Se for para mentir, que seja a idade.

 Se for para matar, que seja a saudade.

 

Se for para morrer, que seja de amor.

Se for para tirar de alguém, que seja sua dor.

Se for para ir embora, que seja a tristeza.

 

Se for para chorar um dia, que seja de alegria.

Se for para cair, que seja na folia.

Se for para bater, que seja em retirada.

Se for para roubar, que seja um bolo.

Se for para matar, que seja de desejo."

 

(Álvaro Socci)

 

publicado por artedasao às 14:29

Quarta-feira, 12 de Dezembro de 2012

(Um pormenor da Barragem do Lindoso Abaixo do Nível da Água)

 

                               >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

                               >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

Uma história de 4 pessoas

 

Esta é uma história sobre 4 (quatro) pessoas: TODO MUNDOALGUÉM - QUALQUER UM e NINGUÉM.

 

Havia um importante trabalho há ser feito, e TODO MUNDO tinha certeza que ALGUÉM o faria.

 

QUALQUER UM poderia tê-lo feito, mas NINGUÉM fez.

 

ALGUÉM zangou-se porque era um trabalho de TODO MUNDO.

 

TODO MUNDO pensou que QUALQUER UM poderia fazê-lo, mas NINGUÉM imaginou que TODO MUNDO deixasse de fazê-lo.

 

No final TODO MUNDO culpou ALGUÉM porque NINGUÉM fez o que QUALQUER UM poderia ter feito.

 

(Histórias e pensamentos 2)

 

publicado por artedasao às 12:24

Terça-feira, 11 de Dezembro de 2012

(Vela com arranjo de Flores)

 

                                >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

                                >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

O mundo é cruel e injusto e a gente sabe disso, pois se vê nas ruas e nos jornais todos os dias notícias sobre mortes, roubos, guerras, crimes, etc. Mas o povo se acostuma, da mesma forma que uma bactéria se adapta a um ambiente e se torna imune depois de determinado período de tempo adaptado a situações. Quem sabe quando o povo resolver se mexer, ele inventará o antídoto para o vírus da indiferença social.

 

(Gustavo Sana)

 

publicado por artedasao às 10:12

Segunda-feira, 10 de Dezembro de 2012

(Jardim junto ao Toural em Guimarães Cidade Berço e Capital Europeia da Cultura 2012, Antigo Jardim da Alameda)

 

                                >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

                                >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

Os sentimentos de uma Estátua Viva!

 

Atrás desta maquilhagem e desta roupa eu me escondo

O meu coração bate e se estou alegre eu não posso ficar risonho

Se estou triste, ai da lágrima que rolar na minha face!

Se eu sentir qualquer vontade neste momento, eu tenho que esperar que ela passe!

 

Atrás deste meu olhar eu tenho tanta história para contar

Mas só me observe, eu não posso falar!

E esta posição contínua faz com que a minha imaginação vá para bem longe, procurando um lugar mais calmo

Então eu vou lá aonde a minha paz se esconde!

 

Pode ser inverno, Outono, primavera ou verão

Eu permaneço no meu posto, eu não tenho estação

E mesmo cansado, eu continuo neste meu trabalho

A minha luta é constante e a coragem é o meu agasalho!

 

Estátua não tem sentimentos, não sente dor!

Pode fazer frio ou calor

Nada pode ser pronunciado neste meu olhar

Os olhares estão sempre atentos a me observar!

 

Ao tilintar das moedas até que, enfim me posso mexer!

Com movimentos e mímicas eu vou agradecer!

E logo a seguir eu retorno para a posição de inércia total

Ninguém pode imaginar que este meu esforço é descomunal!

 

No final de cada dia eu volto a me encontrar

Posso rir, bocejar, falar e até gritar

Enfim o espelho agora me vê de verdade

No entanto, dos olhares atentos eu começo a sentir saudades!

 

"Estátuas Vivas"

Quero dizer que eu respeito muito o trabalho desses artistas que batalham muito, e que sempre colocam um sorriso no meu rosto!

(GUERREIROS DAS RUAS!)

 

 (Janete Sales Dany)

 

publicado por artedasao às 10:58

Domingo, 09 de Dezembro de 2012

(Porta Retratos acolchoado com tecido de lantejoulas)

 

                               >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

                               >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

Sorte e escolhas bem-feitas:

 

Pessoas consideradas inteligentes dizem que a felicidade é uma idiotice, que pessoas felizes não se deprimem, não têm vida interior, não questionam nada, são uns bobos alegres, enfim, que a felicidade anestesia o cérebro.

Eu acho justamente o contrário: cultivar a infelicidade é que é uma burrice. O que não falta nessa vida é gente sofrendo pelos mais diversos motivos: ganham mal, não têm um amor, padecem de alguma doença, sei lá, cada um sabe o que lhe dói.

Todos trazem uns machucados de estimação, você e eu inclusive. No que me diz respeito, dedico a meus machucados um bom tempo de reflexão, mas não vou fechar a cara, entornar uma garrafa de uísque e me considerar uma grande intelectual só porque reflicto sobre a miséria humana. Eu reflicto sobre a miséria humana e sou muito feliz, e salve a contradição.

Felicidade depende basicamente de duas coisas: sorte e escolhas bem-feitas.

Tem que ter a sorte de nascer numa boa família, sorte de ter Pais que incentivem a leitura e o desporto, sorte de eles poderem pagar os estudos pra você, sorte por ter saúde. Até aí, conta-se com a providência divina. O resto não é mais da conta do destino: depende das suas escolhas.

Os amigos que você faz, se optou por ser honesto ou ser malandro, se valoriza mais a grana do que a sua paz de espírito, se costuma correr atrás ou desistir dos seus projectos, se nas suas relações afectivas você prioriza a beleza ou as afinidades, se reconhece os momentos de dividir e de silenciar, se sabe a hora de trocar de emprego, se sai do país ou fica, se perdoa seu pai ou preserva a mágoa pro resto da vida, esse tipo de coisa.

A gente é a soma das nossas decisões, todo mundo sabe. Tem gente que é infeliz porque tem um câncer. E outros são infelizes porque cultivam uma preguiça existencial. Os que têm câncer não têm sorte. Mas os outros, sim, têm a sorte de optar. E estes só continuam infelizes se assim escolherem.

 

(Martha Medeiros)

 

publicado por artedasao às 00:32

Sábado, 08 de Dezembro de 2012

(Ponte Luis I, Ponte do Infante e o Rio Douro)

 

                                >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

                                >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

"Imagine a vida como um jogo, no qual você faz malabarismo com cinco bolas que são lançadas no ar... Essas bolas são: o trabalho, a família, a saúde, os amigos e o espírito.

O trabalho é a única bola de borracha.

Se cair, bate no chão e pula para cima.

Mas as quatro outras são de vidro.

Se caírem no chão, quebrarão e ficarão permanentemente danificadas.

Entendam isso e assim conseguirão o equilíbrio na vida".

Como?

Não diminua seu próprio valor comparando-se com outras pessoas.

Somos todos diferentes. Cada um de nós é um ser especial.

Não fixe seus objectivos com base no que os outros acham importante.

Só você tem condições de escolher o que é melhor para si próprio.

Dê valor e respeite as coisas mais queridas de seu coração.

Apegue-se a ela como a própria vida. Sem elas a vida carece de sentido.

Não deixe que a vida escorra entre os dedos por viver no passado ou no futuro.

Se viver um dia de cada vez, viverá todos os dias de suas vidas.

Não desista enquanto ainda é capaz de um esforço a mais.

Nada termina até o momento em que se deixa de tentar.

Não tema admitir que não é perfeito.

Não tema enfrentar riscos. É correndo riscos que aprendemos a ser valentes.

Não exclua o amor de sua vida dizendo que não pode encontrá-lo. A melhor forma de receber amor é dá-lo. A forma mais rápida de ficar sem amor é apegar-se demasiado a si próprio. A melhor forma de manter o amor é dar-lhe asas. Corra atrás de seu amor, ainda dá tempo!

Não corra tanto pela vida a ponto de esquecer onde esteve e para onde vai.

Não tenha medo de aprender. O conhecimento é leve. É um tesouro que se carrega facilmente.

Não use imprudentemente o tempo ou as palavras. Não se pode recuperar uma palavra dita.

A vida não é uma corrida, mas sim uma viagem que deve ser desfrutada a cada passo.

 

Lembre-se: Ontem é história.

Amanhã é mistério e HOJE é uma dádiva.

Por isso se chama "Presente".

 

(Brian Dyson)

 

publicado por artedasao às 10:31

Sexta-feira, 07 de Dezembro de 2012

(Craquelado)

 

                              >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

                              >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

Sós

 

Meu maior sonho?

Amar e ser amado.

Por vezes me vejo sozinho...

Enquanto aos, montes cercado.

 

Pode ser minha sina ou destino,

Não ser feliz por inteiro.

Vivo por esse amor cristalino,

Apostando ser verdadeiro.

 

Quem sabe serei feliz?

Amante amado...

Dono do meu próprio nariz.

Por seu amor enfeitiçado.

 

E assim tudo passa,

O tempo e a juventude.

Talvez para minha desgraça...

Meu coração se torne rude.

 

Eu tomo decisões erradas,

Faça outro sofrer...

Logo de mãos atadas...

Possa em silêncio morrer.

 

Mesmo assim me vejo sonhando.

Em teus braços começo a voar,

Mundo fora, vou voando...

Não me importando em voltar.

 

Toda uma vida...

Em um simples devaneio.

De quem em cada despedida,

Sente o coração partir-se ao meio.

 

(Adilson Salles Bueno)

 

 

publicado por artedasao às 10:31

pesquisar
 
Dezembro 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9





Últ. comentários
Olá Maria da Conceição!Encontrei ao acaso o seu bl...
Gostei imenso... De encontrar esses versos soltos ...
Maravilhosa tarde de segunda-feira para ti doce am...
Muito interessante!! Eu nunca tinha visto jarros c...
Uma fotografia muito linda!! Adoro pavões!!
Mais um belo poema e uma fotografia perfeita!!
Gostei muito deste poema!! Verdadeiramente encanta...
Muito linda
Ouvir o eco de nossas próprias palavras nos dá a i...
Belo poema, imagem ainda melhor!Dylan
Últ. comentários
Olá Maria da Conceição!Encontrei ao acaso o seu bl...
Gostei imenso... De encontrar esses versos soltos ...
Maravilhosa tarde de segunda-feira para ti doce am...
Muito interessante!! Eu nunca tinha visto jarros c...
Uma fotografia muito linda!! Adoro pavões!!
Mais um belo poema e uma fotografia perfeita!!
Gostei muito deste poema!! Verdadeiramente encanta...
Muito linda
Ouvir o eco de nossas próprias palavras nos dá a i...
Belo poema, imagem ainda melhor!Dylan
Arte da São
conter12
subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro