TRABALHOS de ARTES DECORATIVAS em: Madeira, Vidro, Velas, Chacota, Arte Floral, Eva, Patchwork, Pintura, Fotografia e Scrapbooking

Quinta-feira, 31 de Janeiro de 2013

(Recanto no Mosteiro de São João D'Arga Caminha)

 

                                »»»»»»»»»»««««««««««

 

 

                                »»»»»»»»»»««««««««««

 

Ecos D'Alma

 

Oh! Madrugada de ilusões, Santíssima,

Sombra perdida lá do meu Passado,

Vinde entornar a clâmide puríssima

Da luz que fulge no ideal sagrado!

 

Longe das tristes noites tumulares

Quem me dera viver entre quimeras,

Por entre o resplendor das Primaveras

Oh! Madrugada azul dos meus; sonhares.

 

Mas quando vibrar a última balada

Da tarde e se calar a passarada

Na bruma sepulcral que o céu embaça

 

Quem me dera morrer então risonho

Fitando a nebulosa do meu sonho

E a Via-Láctea da Ilusão que passa!

 

(Augusto dos Anjos)

 

publicado por artedasao às 11:27

Quarta-feira, 30 de Janeiro de 2013

(Álbum para Fotografias, Nascimento, Baptizado, Comunhão e outras recordações)

 

                                 »»»»»»»»»»««««««««««

 

 

                                 »»»»»»»»»»««««««««««

 

Álbum de Figurinhas

 

Quis um verso bem pequeno

Simples como uma Flôr

Que depois do orvalho e sereno

Tal qual lágrimas de dor

Agradece ao sol num aceno

Explodindo pétalas de amor

 

(Paulo Moreira)

 

publicado por artedasao às 12:02

Terça-feira, 29 de Janeiro de 2013

(Um olhar no Gerês, uma das Maravilhas de Portugal)

 

                               >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

                               >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

Rio e o Oceano

 

Diz-se que, mesmo antes de um rio cair no oceano ele treme de medo.

Olha para trás, para toda a jornada, os cumes, as montanhas, o longo caminho sinuoso através das florestas, através dos povoados, e vê à sua frente um oceano tão vasto que entrar nele, nada mais é do que desaparecer para sempre.

Mas não há outra maneira. O rio não pode voltar.

Ninguém pode voltar. Voltar é impossível na existência. Você pode apenas ir em frente.

O rio precisa se arriscar e entrar no oceano.

E somente quando ele entra no oceano é que o medo desaparece.

Porque apenas então o rio saberá que não se trata de desaparecer no oceano, mas tornar-se oceano.

Por um lado é desaparecimento e por outro lado é renascimento.

Assim somos nós.

Só podemos ir em frente e arriscar.

Coragem! Avance firme e torne-se Oceano!

 

(Osho)

 

publicado por artedasao às 11:09

Segunda-feira, 28 de Janeiro de 2013

(Bloco para apontamentos com aplicações 3 D)

 

                                 >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

 

                                 >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

Sem você eu não canto

Aquela linda canção

Que a você dedico tanto

Com as notas do coração

 

Sem você eu não escrevo

Aquela doce poesia

Que a cada linha descrevo

Seu sorriso e sua alegria

 

Sem você eu não danço

Aquela bela melodia

Que a cada passo esqueço

As tristezas do dia-dia

 

Sem você eu não sou nada

Por isso digo e repito

Sem você não há dia, noite ou madrugada

Pois sem você eu não existo.

 

(Gabriel Hamand Timani Soares)

 

publicado por artedasao às 10:57

Domingo, 27 de Janeiro de 2013

(Praia San Rafael, Albufeira, Algarve)

 

                               >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

                               >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

A Praia

 

Barulhentas ondas, densas tristes; sondas este coração 

Não sei se te lembras, mas um dia triste eu a ti pedi

Uma simples carta de outro continente; me ouviste a prece, então recebi.

Como gratidão, trouxe pra que vejas

A mais linda peça intercontinental

É assim que a chamo, atlântica que amo

De igual para igual.

Ainda sopra o vento, o mesmo que:

Manso quis-me acalmar

Quando eu tão ávido, na noite

Impávido,te fui procurar.

Deixo a ti meus votos de que jamais haja

Em ti: poluição

Que haja em sua face um novo sol que nasce

Sem hesitação

E que te admirem, te respeitem praia

Do meu coração.

 

(Ezhequiel Águia Queiroz)

 

publicado por artedasao às 12:44

Sábado, 26 de Janeiro de 2013

(Postais em Cartolina (Scrap) com Aplicações 3 D)

                               

                                 >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

                                  >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

Não basta virar a página, é preciso recomeçar um novo livro, às vezes mantemos os personagens... Em outras apagamos tudo o que se foi.

A vida com sua sabedoria nos ensina o melhor caminho.

Porém a sabedoria fala no silêncio, na ausência, e ouvi-la requer sensibilidade de espírito.

Não basta desviar das pedras é necessário remove-las para um lugar seguro, para que não tropeces novamente,

A felicidade não se acha... Mas é buscada em momentos que instantes terão o valor de uma vida.

E são esses instantes que realmente valem a pena!

Porque quando ao teu corpo faltar forças, e os anos não permitirem que corra atrás da tão almejada "ALEGRIA"...

Serão tuas lembranças que te transportarão ao lugar secreto do teu peito, onde guardaste a FELICIDADE...

E isto sim te fará viver..

 

(Susilene Thomson)

 

publicado por artedasao às 11:36

Sexta-feira, 25 de Janeiro de 2013

(Riquezas de Portugal no Soajo) 

 

                                >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

                                >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

Pelos caminhos que ando

Um dia vai ser

Só não sei quando

 

Pergunte ao pó

Cresce a vida

Cresce o tempo

Cresce tudo

E vira sempre

Esse momento

Cresce o ponto

Bem no meio

Do amor seu centro

Assim como

O que a gente sente

E não diz

Cresce dentro

Razão de Ser

Escrevo.

E pronto.

Escrevo porque preciso,

Preciso porque estou tonto.

Ninguém tem nada com isso.

Escrevo porque amanhece,

E as estrelas lá no céu

Lembram letras no papel,

Quando o poema me anoitece.

A aranha tece teias.

O peixe beija e morde o que vê.

Eu escrevo apenas.

Tem que ter por quê?

Retracto de lado

Retracto de frente

De mim me faça

Ficar diferente

Segundo consta

O mundo acabando,

Podem ficar tranquilos.

Acaba voltando

Tudo aquilo.

Reconstruam tudo

Segundo a planta dos meus versos.

Vento, eu disse como.

Nuvem, eu disse quando.

Sol, casa, rua,

Reinos, ruínas, anos,

Disse como éramos.

Amor, eu disse como.

E como era mesmo?

Sem Budismo

Poema que é bom

Acaba zero a zero.

Acaba com,

Não como eu quero.

Começa sem,

Com, digamos, certo verso,

 

Veneno de letra,

Bolero, Ou menos.

Tira daqui, bota dali,

Um lugar, não caminho,  

Prossegue de si.

Seguro morreu de velho,

E sozinho.

 

(Paulo Leminski)

 

publicado por artedasao às 13:22

Quinta-feira, 24 de Janeiro de 2013

(Convite para as Férias de Verão, Trabalho em Scrap)

 

                                >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

                                >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

Convite


Nas férias do próximo verão

Você está convidada,

Até mesmo intimada,

A repousa na pousada

Do meu coração.

Reservei para você

Minha melhor acomodação.

Espero-te no litoral,

Quero você desfilando

No meu carnaval.

Venha se bronzear,

Sem medo de se queimar.

Não precisa trazer

Protector solar,

Meu sol é especial,

Não vai-te fazer mal, 

Não precisa trazer

Ninguém para amar, terei muito amor

Para te dar.

Venha se deitar

Na minha areia,

Venha sentir meu sangue

Correr nas suas veias.

Venha flutuar

Nas águas quentes

Do meu mar.

Venha sonhar

Na minha calmaria

Todo final de dia.

Venha provar o sal doce

Do mar do meu amor,

Venha sentir o calor

Da areia quente

Que está esperando a gente.

Na praia da minha paixão,

Não tenha medo da insolação.

Você verá que aqui não tem

Poluição,

Não tem contaminação.

A água do meu mar

É pura e cristalina

Como os olhos verdes

Da menina.

Tenha certeza,

Que quando você conhecer

A minha natureza,

Vai se sentir no meio do paraíso,

Sem medo de perder o juízo.

Quando chegar o dia de partir,

No momento de se despedir,

Vai deixar aqui seu coração

Garantindo a reserva

Para o próximo verão.

 

(Ricardo Carneiro Leão)

 

publicado por artedasao às 14:11

Quarta-feira, 23 de Janeiro de 2013

(Mãe e Filho no Parque Nacional da Peneda Gerês - Maravilha de Portugal)

 

                                >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

                                >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

Cavalos

 

Fortes e corajosos,

Destemidos e maravilhosos,

Exuberantes e queridos,

Deslumbrantes e coloridos,

Força, beleza e destreza,

São eles da natureza.

 

De belas pelagens,

De bonitas imagens,

De encanto delicado,

De olhar incomparável,

E de carinho adorável.

 

Beleza excepcional,

Força descomunal,

Coração gigante,

Inteligência brilhante.

 

Maravilhosos,

Corajosos,

Fiéis, obedientes.

Belos e singelos,

Lindos num gesto

De amor.

 

(Dannala)

 

publicado por artedasao às 11:21

Terça-feira, 22 de Janeiro de 2013

(Convite ou envelope para Lembranças)

 

                                >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

                                >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

Assovio

 

Ninguém abra a sua porta

Para ver que aconteceu:

Saímos de braço dado,

A noite escura, mais eu.

 

Ela não sabe o meu rumo,

Eu não lhe pergunto o seu:

Não posso perder mais nada,

Se o que houve já se perdeu.

 

Vou pelo braço da noite,

Levando tudo que é meu:

- A dor que os homens me deram,

E a canção que Deus me deu.

 

(Cecília Meireles)

 

publicado por artedasao às 12:10

Segunda-feira, 21 de Janeiro de 2013

(Estaleiros Navais de Vila do Conde)

 

                                 >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

                                 >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

Barcos de pescadores ao entardecer

Numa aquática dança

Trazem mensagens de paz

Pelas ondas da memória.

 

Velas brancas abertas

Como uma procissão de asas

Brancas... Brancas... Brancas...

Asas soltas ao vento.

 

Lenta a mirada do poeta

Perfila-se sobre o poente

Vibrando a luz do espírito

Como um sino de silêncio.

 

As palavras ocas já são poucas

As palavras pesadas são passadas

As palavras precisas, preciosas

As palavras sábias, saboreadas.

 

Como uma pequena gota de oceano

Sabe sua essência.

Como um chilrear de pássaro

Soa o som de bênçãos.

Como a chuva nutritiva

Fecunda o novo tempo.

Como uma súbita rajada de vento

Varre toda a Terra.

 

(Alex Sakai)

 

publicado por artedasao às 11:36

Domingo, 20 de Janeiro de 2013

 

 

                                    >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

                                    >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

Pra quê 

Sofrer com despedida?

Se quem parte não leva,

Nem o sol, nem as trevas

E quem fica não se esquece

Tudo o que sonhou, eu sei

Tudo é tão simples que cabe

Num cartão postal

E se a história é de amor

Não acaba tão mal.

 

(Rita Lee)

 

publicado por artedasao às 11:45

Sábado, 19 de Janeiro de 2013

(Este quadro encontra-se na Quinta do Cruzeiro em Vila Praia de Âncora)

 

                                   >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

                                   >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

Era uma vez duas panelas que estavam perto uma da outra ao lado de um rio. Uma era de ferro, outra, de barro. A água inundou as margens e carregou com as duas. A panela de barro mantinha-se, tanto quanto possível afastada da outra.

- Não tenhas medo – disse-lhe a panela de ferro -, eu não te farei mal.

- Não, não – respondeu a outra -, tu não me farás mal propositadamente, eu sei. Mas se por acaso nos chocássemos uma contra a outra, o mal estaria feito, no que a mim se refere. Por isso é que eu e tu nunca poderemos nos dar Bem.

 

MORAL DA FÁBULA: Nunca se deve ir por Pensamentos Tortuosos.

 

(Linartt Vieira)

 

publicado por artedasao às 10:40

Sexta-feira, 18 de Janeiro de 2013

(Este envelope foi feito para ofertar uma prenda a uma menina na sua comunhão)

 

                                 »»»»»»»»»»««««««««««

 

 

                                 »»»»»»»»»»««««««««««

 

Sou Mãe/Tia/Avó/Bisavó

 

Uma mulher chamada Anne foi renovar a sua carteira de motorista. Pediram-lhe para informar qual era a sua profissão.

Ela hesitou, sem saber bem como se classificar.

"O que eu pergunto é se tem um trabalho", insistiu o funcionário.

"Claro que tenho um trabalho", exclamou Anne. "Sou Mãe."

"Nós não consideramos 'Mãe' um trabalho. 'Dona de casa' dá para isso", disse o funcionário friamente.

Não voltei a lembrar-me desta história até o dia em que me encontrei em situação idêntica. A pessoa que me atendeu era obviamente uma funcionária de carreira, segura, eficiente, dona de um título sonante, do género oficial inquiridor'.

"Qual é a sua ocupação?" Perguntou. Não sei o que me fez dizer isto; as palavras simplesmente saltaram-me da boca para fora:

"Sou Pesquisadora Associada no Campo do Desenvolvimento Infantil e das Relações Humanas."

A funcionária fez uma pausa, a caneta de tinta permanente a apontar para o ar, e olhou-me como quem diz que não ouviu bem. Eu repeti pausadamente, enfatizando as palavras mais significativas. Então reparei, maravilhada, como ela ia escrevendo, com tinta preta, no questionário oficial.

"Posso perguntar", disse-me ela com novo interesse, "o que faz exactamente nesse campo?"

Calmamente, sem qualquer traço de agitação na voz, ouvi-me a responder:

"Tenho um programa permanente de pesquisa (qualquer mãe o tem), em laboratório e no terreno (normalmente eu teria dito dentro e fora de casa). Trabalho para os meus Mestres (toda a família), e já passei quatro provas (todas meninas). Claro que o trabalho é um dos mais exigentes da área das humanidades (alguma mulher discorda?) e frequentemente trabalho 14 horas por dia (para não dizer 24...)."

Houve um crescente tom de respeito na voz da funcionária que acabou de preencher o formulário, se levantou, e pessoalmente me abriu a porta. Quando cheguei a casa, com o troféu da minha nova carreira erguido, fui cumprimentada pelas minhas assistentes de laboratório - de 13, 7 e 3 anos.

Do andar de cima, pude ouvir a minha nova modelo experimental (uma bebé de seis meses) do programa de desenvolvimento infantil, testando uma nova tonalidade da voz.

Senti-me triunfante!

Tinha conseguido derrotar a burocracia!

E fiquei no registro do departamento oficial como alguém mais diferenciado e indispensável à humanidade do que "uma simples Mãe"!

Maternidade... Que carreira gloriosa! Especialmente quando se tem um título na porta.

Assim deviam fazer as Avós: "Associada Sénior de Pesquisa no Terreno para o Desenvolvimento Infantil e de Relações Humanas". As bisavós: "Executiva-Associada Sénior de Pesquisa". Eu acho!!! E também acho que para as tias podia ser: "Assistentes associadas de Pesquisa".

 

(Autoria Desconhecida)

 

publicado por artedasao às 11:10

Quinta-feira, 17 de Janeiro de 2013

(Fonte na Quinta do Cruzeiro Vila Praia de Âncora)

 

                                 »»»»»»»»»»««««««««««

 

 

                                 »»»»»»»»»»««««««««««

 

Fonte das lembranças

Quantas lembranças me trás

Parece até que foi ontem

Mas foi muito tempo atrás

Minha Mãe lavando roupas

E eu sorrindo a brincar

Mulheres numa prosa que não era pouca

Lavavam e se divertiam em conversar

Com suas trochas de roupas

Nem se quer viam o dia passar

Hoje o prado está mudado

Nem fonte há pra gente brincar

Agora existe lavadoras eléctricas

Que a modernidade fez questão

Do passado nunca lembrar

Feliz de quem conheceu esta fonte

Felicidades ali foram aos montes

Hoje nem sei o que existe lá

Desfizeram daquele horizonte

Encontros, de mulheres amigas  

E seus filhos que banhavam na fonte

Momentos que nem o progresso

Conseguirá estas lembranças apagar.

 

(Carvalho)

 

publicado por artedasao às 11:12

Quarta-feira, 16 de Janeiro de 2013

(Caixa com Vela que preparei para o baptizado da minha Neta Beatriz)

 

                                »»»»»»»»»»««««««««««

 

 

                                »»»»»»»»»»««««««««««

 

À Distância

 

Há quem por ti de longe vela,

Deseja-te ver sempre brilhar,

Oferece-te carinho e zela

Por tua felicidade e bem-estar.

 

Alguém com palavras pincela

O quanto encanta o teu olhar,

Compõe versificada aquarela,

Almeja admiração demonstrar.

 

Tanta dedicação assim revela

Ser pouco importante o lugar,

Se uma paixão existe e é bela

Até a distância poderá superar.

 

(Dennys Távora)

 

publicado por artedasao às 10:50

Terça-feira, 15 de Janeiro de 2013

(Candeeiro na Quinta do Cruzeiro Vila Praia de Âncora)

 

                                 »»»»»»»»»»««««««««««

 

 

                                 »»»»»»»»»»««««««««««

 

Em busca da Luz

 

O discípulo se aproxima do Mestre:

 

- Durante anos busquei a iluminação - disse.

- Sinto que estou perto. Quero saber qual o próximo passo.

- E como você se sustenta? - Perguntou o Mestre.

- Ainda não aprendi a me sustentar; meu Pai e minha Mãe me ajudam. Entretanto, isto são apenas detalhes.

- O próximo passo é olhar o Sol por meio minuto - disse o Mestre.

O discípulo obedeceu.

Quando acabou, o Mestre pediu que descrevesse o campo á sua volta.

- Não consigo vê-lo, o brilho do sol ofuscou meus olhos - respondeu o discípulo.

- Um homem que apenas busca a Luz, e deixa suas responsabilidades para os outros, termina sem encontrar a iluminação. Um homem que mantém os olhos fixos no sol termina cego - comentou o Mestre.

 

(Paulo Coelho – Maktub)

 

publicado por artedasao às 10:44

Segunda-feira, 14 de Janeiro de 2013

(Vela decorada com tecido de lantejoulas)

 

                              »»»»»»»»»»««««««««««

 

 

                              »»»»»»»»»»««««««««««

 

EU?

 

Eu sou alguém que sabe que o mundo adoeceu...

E a cada dia me convenço mais dessa nossa loucura, porque não me excluo.

Quantas vezes; me vi concordando com absurdos inconfessáveis?

Quantas vezes; acreditei na verdade comercializada, como se o valor da verdade correspondesse a preço?

Somos esse mundo louco que não se encara, que teme ver no espelho a cara feia da decepção, a horrenda mas infantil imagem de seus próprios passos, as tortuosas curvas dos nossos caminhos; encantados e consequentemente falsos.

Que prodigiosamente nos levam a lugar nenhum.

As pessoas boas estão sozinhas e desprezadas.

As pessoas simples frequentemente são subjugadas.

Os inocentes morrem cedo.

As qualidades são dia a dia questionadas, mas os defeitos podem ser revisados, revisitados, compreendidos, perdoados.

Queremos matar um leão por dia e ainda assim temos uma voraz fome de paz.

Suplicamos aos céus fagulhas de luz mas ignoramos olhos que brilham ao nos ver.

Perdemos horas decifrando os que nos magoaram e minutos rindo dos que dizem nos amar.

Clamamos contra a solidão, mas não permitimos que alguém nos ame de verdade.

Tememos a sinceridade, mas permitimos que nos enganem sem cerimónia.

Julgamos tolos os que nunca nos fariam sofrer e atraentes os que nos fizeram chorar.

Já não sabemos distinguir o riso do deboche, o apaixonado do idiota, o sofrimento do sofredor, o carinho do desejo, a inocência da dissimulação, a fé da ignorância, o amor da possessividade.

O mundo está doente...

Nós estamos doentes...

Estamos viciados em dor.

Vivemos um eterno; doping emocional, social, canibal, insano, digerindo as pílulas amargas da desilusão e transpirando com pressa nossa capacidade de amar. Diante de pessoas dignas nos apiedamos.

Com quem não tem valor nos aventuramos.

Somos a antítese do que sonhamos ser na infância.

Ou nem sabemos quem somos.

Louco mundo dos "sem noção"!

Perdemos a capacidade de amar sem medo, mas temos a coragem de nos entregar por nada.

O mundo está doente!

Somos o mundo!

E eu; faz tempo, nem sei quem sou.

 

(Rosane Rocha de Freitas)

 

publicado por artedasao às 12:20

Domingo, 13 de Janeiro de 2013

(Charrete na Quinta do Cruzeiro Vila Praia de Âncora)

 

                               >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

                               >>>>>>>>>><<<<<<<<<< 

 

Ainda vivo da viagem

Na nossa carruagem

E fico sem coragem

De ir embora

Meu bem

 

Tiravas a embalagem

E ficávamos de beberagem

No vai e vêm

Do crepúsculo à aurora

De que eu era refém

 

Eras meu remédio, sem dosagem

Tempestade, sem estiagem

Eras o motor e a embraiagem

E eu, do teu corpo senhora

Aderente feito tatuagem

 

Eu era uma, eu era cem

Eram todos do teu harém

E todos nos olhavam com desdém

O que me resta agora?

Tudo o que eu viva, estará aquém

 

(Lina Marano)

 

publicado por artedasao às 11:40

Sábado, 12 de Janeiro de 2013

(Caixa de cartão craquelada e com imagem 3 D)

 

                                  »»»»»»»»»»««««««««««

 

 

                                   »»»»»»»»»»««««««««««

 

Rasgam-se as nuvens no céu estrelado,

Invade-se a vontade de gritar,

O Sol mantém-se ao longe… calado,

Ouvindo o som do belo luar.

 

A fada desperta do sono encantado,

Com a sua harpa de sonho a tocar,

O sol dormindo...sonha deleitado,

Vislumbrando ao longe um novo acordar

 

Surge então um novo céu...a nevar

De noite e durante a madrugada,

O sol mantém-se coberto a sonhar

Com estrelas e com a sua amada...

 

Ouve-se ao longe um galo a cantar,

Adivinha-se o nascer de um novo dia,

A lua vai-se embora a chorar,

Mas o Sol...desperta com alegria.

 

A lua adormece por fim.

Mas o Sol, nada leva a mal,

Pois ama a Lua tanto assim,

Que voltará a encontrá-la num sonho de Natal...

 

(Autor Desconhecido)

 

publicado por artedasao às 10:31

Sexta-feira, 11 de Janeiro de 2013

(Este Arco-Íris foi visivel no último dia do Ano 31-12-2012 em Vila do Conde pelas 17 horas)

 

                                 »»»»»»»»»»««««««««««

 

 

                                 »»»»»»»»»»««««««««««

 

Receita de Ano Novo

 

Para você ganhar belíssimo Ano Novo cor de arco-íris, ou da cor da sua paz,

Ano Novo sem comparação como todo o tempo já vivido (mal vivido ou talvez sem sentido) para você ganhar um ano não apenas pintado de novo, remendado às carreiras, mas novo nas sementinhas do vir-a-ser, novo até no coração das coisas menos percebidas (a começar pelo seu interior) novo espontâneo, que de tão perfeito nem se nota, mas com ele se come, se passeia, se ama, se compreende, se trabalha, você não precisa beber champanhe ou qualquer outra birita, não precisa expedir nem receber mensagens (planta recebe mensagens? passa telegramas?).

Não precisa fazer lista de boas intenções para arquivá-las na gaveta.

Não precisa chorar de arrependido pelas besteiras consumadas nem parvamente acreditar que por decreto da esperança a partir de Janeiro as coisas mudem e seja tudo claridade, recompensa, justiça entre os homens e as nações, liberdade com cheiro e gosto de pão matinal, direitos respeitados, começando pelo direito augusto de viver.

Para ganhar um ano-novo que mereça este nome, você, meu caro, tem de merecê-lo, tem de fazê-lo de novo, eu sei que não é fácil, mas tente, experimente, consciente.

É dentro de você que o Ano Novo cochila e espera desde sempre.

 

(Carlos Drummond de Andrade)

 

publicado por artedasao às 10:51

Quinta-feira, 10 de Janeiro de 2013

(Trabalho em cartolina utilizando Técnica de Scrap)

 

                                  »»»»»»»»»»««««««««««

 

 

                                    »»»»»»»»»»««««««««««

 

Te esperei no envelope ou no telefone.

Te esperei de manhã.

Esperei, esperei e te esperei tanto que até comprei um guarda-chuva para te esperar melhor.

O tempo passou, o guarda-chuva cresceu e eu me esqueci da espera.

Quando te vi, outro dia, nem me lembrei da esperança e te cumprimentei como se fosse a primeira vez.

E como a primeira vez me apaixonei de novo e me pus a te esperar como se tivesse sido feito para isso.

Amanhã vou comprar um guarda-chuva que não cresça tanto.

 

(Sérgio Antunes)

 

publicado por artedasao às 11:00

Quarta-feira, 09 de Janeiro de 2013

(Pôr-do-Sol no último dia do Ano 2012 em Vila do Conde)

 

                                  »»»»»»»»»»««««««««««

 

 

                                   »»»»»»»»»»««««««««««

 

Quem um dia decidiu que o mundo estava errado?

Quem viu o Sol brilhar mas preferiu ficar deitado?

Quem nunca sentiu medo e abraçou o travesseiro?

Quem fez compromissos e não saiu o dia inteiro?

Quem estava gripado mas bebeu água gelada?

Quem acordou tarde porque deitou de madrugada?

Quem teve um segredo e não conseguiu guardar?

Quem gostava de uma música que não sabia cantar?

Quem recebeu um abraço na hora da despedida?

Quem já prometeu amar alguém pro resto da vida?

Quem pensou numa rima e inventou uma canção?

Quem já perdeu um amor e entrou em depressão?

Quem se trancou no quarto e chorou até dormir?

Quem nunca se sentiu feliz mas não deixa de sorrir...

 

(Marcília Andrade)

 

publicado por artedasao às 11:43

Terça-feira, 08 de Janeiro de 2013

(Vela trabalhada com folha de Alumínio, Galão e Aplicação )

 

                                »»»»»»»»»»««««««««««

 

 

                                »»»»»»»»»»««««««««««

 

Vida: Beleza sem Fim!


Faz parte da vida as surpresas,

Faz parte da vida as incertezas,

Faz parte da vida as decepções,

Faz parte da vida o sofrimento,

Faz parte da vida conscientizar-se da vida...

Faz parte da vida as decisões,

Faz parte da vida usar de boas intenções,

Faz parte da vida a perseverança...

Faz parte da vida a bonança...

Faz parte da vida as discordâncias...

Faz parte da vida o respeito ao outro.

Faz parte da vida procurar melhorar-se,

Faz parte da vida doar-se,

Faz parte da vida ser autêntico,

Faz parte da vida sentir a vida do outro,

Faz parte da vida sentir o outro na sua vida,

Faz parte da vida, a vida do outro sair da tua vida...

Faz parte da vida entristecer-se...

Só não faz parte da vida sentir tua vida sem vida, quando tua vida é uma parte da VIDA que forma esta BELEZA SEM FIM!

 

(José Guilherme)

 

publicado por artedasao às 11:15

Segunda-feira, 07 de Janeiro de 2013

(Passagem para a Praia do Parque de Campismo de Árvore Vila do Conde)

 

                                    »»»»»»»»»»««««««««««

 

 

                                    »»»»»»»»»»««««««««««

 

Reflexão

 

Em Dunas escondidas procurei

Silêncio para o meu coração,

Naquela areia não vacilei

Fiz no meu interior reflexão.

 

Na caminhada algo dentro falava

E fazia o silêncio interromper,

A alegria que dentro faltava

Começou por dentro reaparecer.

 

Os caminhos que a vida nos leva

As vezes tem pouca duração,

Um amor nunca se despreza

Tem que guardar no coração.

 

Paixão o aguçar passageiro

Que faz o coração sofrer,

Os ventos os mensageiros

Viajam por dentro do querer.

 

O silêncio as vezes convida

A revolta pra parar,

Quando não encontra saída

Nem Dunas pra relaxar.

 

Assim cada coração pede

Um minuto pra silenciar,

Pra ver se a verdade sede

O melhor momento pra amar.

 

(Nae)

 

publicado por artedasao às 11:09

pesquisar
 
Janeiro 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9





Últ. comentários
Olá Maria da Conceição!Encontrei ao acaso o seu bl...
Gostei imenso... De encontrar esses versos soltos ...
Maravilhosa tarde de segunda-feira para ti doce am...
Muito interessante!! Eu nunca tinha visto jarros c...
Uma fotografia muito linda!! Adoro pavões!!
Mais um belo poema e uma fotografia perfeita!!
Gostei muito deste poema!! Verdadeiramente encanta...
Muito linda
Ouvir o eco de nossas próprias palavras nos dá a i...
Belo poema, imagem ainda melhor!Dylan
Últ. comentários
Olá Maria da Conceição!Encontrei ao acaso o seu bl...
Gostei imenso... De encontrar esses versos soltos ...
Maravilhosa tarde de segunda-feira para ti doce am...
Muito interessante!! Eu nunca tinha visto jarros c...
Uma fotografia muito linda!! Adoro pavões!!
Mais um belo poema e uma fotografia perfeita!!
Gostei muito deste poema!! Verdadeiramente encanta...
Muito linda
Ouvir o eco de nossas próprias palavras nos dá a i...
Belo poema, imagem ainda melhor!Dylan
subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro