TRABALHOS de ARTES DECORATIVAS em: Madeira, Vidro, Velas, Chacota, Arte Floral, Eva, Patchwork, Pintura, Fotografia e Scrapbooking

Quarta-feira, 08 de Janeiro de 2014

Parar nas esquinas da vida não é obrigatório, mas vale a pena.

(Daniel Polcaro)

 

       >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

 

       >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

Casinha da Esquina

 

A casinha da esquina é florida,

há flores de todas as cores,

na casinha da esquina.

 

Naquela casinha da esquina,

mora toda alegria.

Pássaros cantam felizes

naquela casinha da esquina.

 

Tem na casinha da esquina,

silencio, graça e harmonia.

Tem paz na casinha da esquina.

 

Felicidade,

é na casinha da esquina,

porque quem me ama,

está na casinha da esquina.

 

É minha grande paixão

Que mora na casinha da esquina,

esperando pelo seu amor,

naquela casinha da esquina.

 

(Marcos Marques)

 

publicado por artedasao às 14:33

Quinta-feira, 17 de Outubro de 2013

O Amor é uma luz que não deixa escurecer a Vida.

(Camilo Castelo Branco)

 

                 >>>>>>>>>><<<<<<<<<<



                 >>>>>>>>>><<<<<<<<<<


 

Lá muito ao longe… está a luz!

Eu já a vi!

E agora…

Procuro o caminho que a Ela conduz…

 

Mas afastai-vos, caridoso intento!

Saí da minha frente,

Gentes que ouvistes meu lamento!

 

Perdoai o meu tom brutal, irado…

… Mas eu não quero fazer o tema copiado!

 

Eu quero ir sozinha!

Consciente dos meus passos!

Ainda que gaste a vida em sofrimento…

Eu quero ir sozinha!...

 

Deixai-me passar!...

Deixai-me enganar e recomeçar…

Deixai-me ficar aos bocados pela estrada,

Deixai-me que procure em direcção errada,

Mas deixai-me ir sozinha!...

 

E se eu morrer antes de alcança-la,

A Luz saberá

Que eu gastei a vida a procurá-la!...

 

(Maria José Rijo)

 

publicado por artedasao às 12:03

Terça-feira, 24 de Setembro de 2013

(Candeeiro na Estação de S. Bento no Porto)

 

                >>>>>>>>>><<<<<<<<<<



                >>>>>>>>>><<<<<<<<<<


 

Com vida de herdeiro

O cacto crescendo no jardim,

Não conhece o candeeiro.

Triste fim, triste fim, triste fim...

 

Tenho o seu rosto guardado

Em ¼ da memória.

Entre tantos quadros pintados,

Tem também a tua história.

 

Busco relatos de experiências.

Amores, desamores... Ilusões.

Fotografias de sua memória

Aquelas que mostram sua história.

 

(Jôsi Baraúna)

 

publicado por artedasao às 14:46

Segunda-feira, 09 de Setembro de 2013

(Uma luz pela Paz, pela Tolerância, pelo Amor, pela Magia e por todos Vocês.)

(Anahí Portilla)

 

                  >>>>>>>>>><<<<<<<<<<



                  >>>>>>>>>><<<<<<<<<<


 

Permite que agora emudeça:

que me conforme em ser sozinha.

Há uma doce luz no silêncio,

e a dor é de origem divina.

 

Permite que eu volte o meu rosto

para um céu maior que este mundo,

e aprenda a ser dócil no sonho

como as estrelas no seu rumo.


(Cecília Meireles)

 

publicado por artedasao às 12:05

Quinta-feira, 04 de Julho de 2013

(Retire minhas algemas, devolva minha caneta, acenda o candeeiro e deixe-me ser livre.)

(Charlison Daniel)


                 >>>>>>>>>><<<<<<<<<<



                 >>>>>>>>>><<<<<<<<<<


 

Pálida, à luz da lâmpada sombria,

Sobre o leito de flores reclinada,

Como a lua por noite embalsamada,

Entre as nuvens do amor ela dormia!

Era a virgem do mar! Na escuma fria

Pela maré das águas embalada!

Era um anjo entre nuvens d'alvorada

Que em sonhos se banhava e se esquecia!

Era mais bela! O seio palpitando...

Negros olhos as pálpebras abrindo...

Formas nuas no leito resvalando...

Não te rias de mim, meu anjo lindo!

Por ti - as noites eu velei chorando,

Por ti - nos sonhos morrerei sorrindo!

 

(Álvares de Azevedo)

 

 

publicado por artedasao às 15:12

Sexta-feira, 14 de Junho de 2013

(Este abstracto em fotografia, foi obtido de um candeeiro)

 

                 >>>>>>>>>><<<<<<<<<<



                 >>>>>>>>>><<<<<<<<<<


 

Tenho Dó das Estrelas

 

 

 

Tenho dó das estrelas

 

Luzindo há tanto tempo,

 

Há tanto tempo…

 

Tenho dó delas.

 

 

 

Não haverá um cansaço

 

Das coisas,

 

De todas as coisas

 

Como das pernas ou de um braço?

 

 

 

Um cansaço de existir,

 

De ser,

 

Só de ser,

 

O ser triste brilhar ou sorrir…

 

 

 

Não haverá, enfim,

 

Para as coisas que são,

 

Não morte, mas sim

 

Uma outra espécie de fim,

 

Ou uma grande razão –

 

Qualquer coisa assim

 

Como um perdão?

 

(Fernando Pessoa)

 

publicado por artedasao às 14:08

Sábado, 16 de Março de 2013

(Lustre antigo algures em moradia)

 

                                 >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

                                 >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

Soneto

 

Pálida à luz da lâmpada sombria,

Sobre o leito de flores reclinada,

Como a lua por noite embalsamada,

Entre as nuvens do amor ela dormia!

 

Era a virgem do mar, na escuma fria

Pela maré das águas embalada!

Era um anjo entre nuvens d'alvorada

Que em sonhos se banhava e se esquecia!

 

Era a mais bela! Seio palpitando...

Negros olhos as pálpebras abrindo...

Formas nuas no leito resvalando...

 

Não te rias de mim, meu anjo lindo!

Por ti - as noites eu velei chorando,

Por ti - nos sonhos morrerei sorrindo!

 

(Álvares de Azevedo)

 

publicado por artedasao às 14:44

Terça-feira, 15 de Janeiro de 2013

(Candeeiro na Quinta do Cruzeiro Vila Praia de Âncora)

 

                                 »»»»»»»»»»««««««««««

 

 

                                 »»»»»»»»»»««««««««««

 

Em busca da Luz

 

O discípulo se aproxima do Mestre:

 

- Durante anos busquei a iluminação - disse.

- Sinto que estou perto. Quero saber qual o próximo passo.

- E como você se sustenta? - Perguntou o Mestre.

- Ainda não aprendi a me sustentar; meu Pai e minha Mãe me ajudam. Entretanto, isto são apenas detalhes.

- O próximo passo é olhar o Sol por meio minuto - disse o Mestre.

O discípulo obedeceu.

Quando acabou, o Mestre pediu que descrevesse o campo á sua volta.

- Não consigo vê-lo, o brilho do sol ofuscou meus olhos - respondeu o discípulo.

- Um homem que apenas busca a Luz, e deixa suas responsabilidades para os outros, termina sem encontrar a iluminação. Um homem que mantém os olhos fixos no sol termina cego - comentou o Mestre.

 

(Paulo Coelho – Maktub)

 

publicado por artedasao às 10:44

Sábado, 25 de Agosto de 2012

Se um dia faltar luz

Ou pão pró meu estômago

Voltarei ao candeeiro

E farei outra receita

 

Se um dia faltar juízo

E um pouco de sal

Vou buscar outro louco

E salgarei tudo do mar

 

Se um dia faltar limite

E um pouco de euforia

Voarei todos os meus sonhos

E buscarei algum estímulo

 

Só não me venha com a besteira

De um dia me tirar o amor

Sem esse eu não vivo, nem a pulso

Por ele troco luz, pão, limite e euforia

Pelo amor eu vou além

Com amor eu sou alguém

 

(Leila Perci)

                                     »»»»»»»«««««««

                                     »»»»»»»«««««««

 

publicado por artedasao às 11:55

Quarta-feira, 02 de Maio de 2012
"Não importa o quão devagar você vá,

desde que você não pare."

 

(Confucius)

                                         >>>>>>><<<<<<<

 


                                      >>>>>>><<<<<<<

publicado por artedasao às 11:32

pesquisar
 
Abril 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24

26
27
28
29
30


Últ. comentários
Olá Maria da Conceição!Encontrei ao acaso o seu bl...
Gostei imenso... De encontrar esses versos soltos ...
Maravilhosa tarde de segunda-feira para ti doce am...
Muito interessante!! Eu nunca tinha visto jarros c...
Uma fotografia muito linda!! Adoro pavões!!
Mais um belo poema e uma fotografia perfeita!!
Gostei muito deste poema!! Verdadeiramente encanta...
Muito linda
Ouvir o eco de nossas próprias palavras nos dá a i...
Belo poema, imagem ainda melhor!Dylan
Últ. comentários
Olá Maria da Conceição!Encontrei ao acaso o seu bl...
Gostei imenso... De encontrar esses versos soltos ...
Maravilhosa tarde de segunda-feira para ti doce am...
Muito interessante!! Eu nunca tinha visto jarros c...
Uma fotografia muito linda!! Adoro pavões!!
Mais um belo poema e uma fotografia perfeita!!
Gostei muito deste poema!! Verdadeiramente encanta...
Muito linda
Ouvir o eco de nossas próprias palavras nos dá a i...
Belo poema, imagem ainda melhor!Dylan
Arte da São
conter12

blogs SAPO


Universidade de Aveiro