TRABALHOS de ARTES DECORATIVAS em: Madeira, Vidro, Velas, Chacota, Arte Floral, Eva, Patchwork, Pintura, Fotografia e Scrapbooking

Quinta-feira, 14 de Novembro de 2013

(Estátua da "Menina Nua" na Avenida do Aliados)

 

                 >>>>>>>>>><<<<<<<<<<



                 >>>>>>>>>><<<<<<<<<<


 

Estátua da “Menina Nua”

 


Ó Porto, minha Cidade

Vais saber toda a verdade

De uma estátua que é tão tua.

Na Avenida dos Aliados

Todos ficam deslumbrados

Ao verem a “Menina Nua”.

 

Deus deu-lhe o nome de Lela

Essa formosa donzela

Filha do Bairro da Sé.

Que um dia, teve a coragem

De posar a sua imagem

Sem deixar de ser quem é.

 

Mas meu Deus, um certo dia

Para as Fontainhas seguia

Á cabeça, roupa aos molhos.

Na Rua do Sol, um trovão

Caiu uma negra solidão

Ficou sem luz, os meus olhos.

 

Que pena não poderes ver

A estátua do teu ser

Obra de Henrique Moreira.

Que Deus te guarde, velhinha

Andavas triste e sozinha

No bairro da Pasteleira.

 

(Carlos Bessa em Retalhos de um Porto esquecido)

 

publicado por artedasao às 11:58

Sexta-feira, 08 de Novembro de 2013

(Campanário em Ponte de Lima)

 

                 >>>>>>>>>><<<<<<<<<<



                 >>>>>>>>>><<<<<<<<<<


 

Tristes Sinos


 

Tristes sinos a tanger!

Pelas frias campinas...

Pelas velhas ruínas...

Pelos caminhos de Minas.

 

Tristes sinos que dobram.,

Por estas romarias,

Pelas pradarias,

Na hora da Ave-Maria.

 

Dobre de sinos tristonhos.

Nas ermas distâncias...

Por rústicas estâncias,

Por meus sonhos de criança.

 

Frio repicar de sinos,

Que espalham segredos...

Que trazem degredos,

Ânsias e medos.

 

Velhos sinos que segredam,

Velhas profecias!

Profundas nostalgias...

Tristíssimas monodias!

 

(Luiz Guilherme)

 

publicado por artedasao às 11:07

Quinta-feira, 10 de Outubro de 2013

(Esculturas que homenageiam  a classe oparária mais representativa do concelho de Vila do Conde no Largo dos Artistas em Vila do Conde, Escultor Manuel de Sousa Pereira)

 

                 >>>>>>>>>><<<<<<<<<<



                 >>>>>>>>>><<<<<<<<<<


 

Eu Sou um Artista.

 


Eu sou um artista desconhecido

Que lança suas frases ao vento,

Que faz de sua vida um abrigo

A encarar as forças do tempo.

 

Eu sou um artista oprimido

Que caminha só com a alma

Tendo ao lado somente a sombra,

Papel e caneta e um pouco de calma.

 

Eu sou um artista completo

Da música, dos poemas, das noites de inverno

Que conta sua vida em textos, em versos,

Que some no alto do palco da minha ilusão.

 

Eu sou um artista verdadeiro

Escondido entre as nuvens nubladas

Que vive um eterno “conto de fadas”

A espera de um reconhecimento da plateia.

 

Eu sou um artista muito sincero

Que reconhece o que tenho e o que quero

No caminho escolhido pelo livre arbítrio

Esperando, quem sabe um dia...

Cumprimentar o público...

Extasiado pelos aplausos.

 

(Mário Pires)

publicado por artedasao às 18:15

Quinta-feira, 26 de Setembro de 2013

(Um olhar do Monumento aos Heróis da Guerra Peninsular na Rotunda da Boavista que começou a ser construído em 1909 e foi inaugurado em 1951 da autoria do Arquitecto Marques da Silva e do Escultor Alves de Sousa)

 

                 >>>>>>>>>><<<<<<<<<<



                 >>>>>>>>>><<<<<<<<<<


 

Fábula: O Leão e o Rato

 

Certo dia, estava um Leão a dormir a sesta quando um ratinho começou a correr por cima dele. O Leão acordou, pôs-lhe a pata em cima, abriu a bocarra e preparou-se para o engolir.

 

- Perdoa-me! - Gritou o ratinho - Perdoa-me desta vez e eu nunca o esquecerei. Quem sabe se um dia não precisarás de mim?

 

O Leão ficou tão divertido com esta ideia que levantou a pata e o deixou partir.

 

Dias depois o Leão caiu numa armadilha. Como os caçadores o queriam oferecer vivo ao Rei, amarraram-no a uma árvore e partiram à procura de um meio para o transportarem.

 

Nisto, apareceu o ratinho. Vendo a triste situação em que o Leão se encontrava, roeu as cordas que o prendiam.

 

E foi assim que um ratinho pequenino salvou o Rei dos Animais.

 

Moral da história: Não devemos subestimar os outros.

 

(Jean de La Fontaine)

 

publicado por artedasao às 12:18

Sábado, 14 de Setembro de 2013

(Imagem do Morro e da Catedral da Sé do Porto)

 

                 >>>>>>>>>><<<<<<<<<<



                 >>>>>>>>>><<<<<<<<<<


 

'Minha vida não foi um romance...

Nunca tive até hoje um segredo.

Se me amar, não digas, que morro

De surpresa... de encanto... de medo...

 

Minha vida não foi um romance

Minha vida passou por passar

Se não amas, não finjas, que vivo

Esperando um amor para amar.

 

Minha vida não foi um romance...

Pobre vida... passou sem enredo...

Glória a ti que me enches de vida

De surpresa, de encanto, de medo!

 

Minha vida não foi um romance...

Ai de mim... Já se ia acabar!

Pobre vida que toda depende

De um sorriso.. de um gesto.. Um olhar...

 

(Mário Quintana)

 

publicado por artedasao às 22:26

Sexta-feira, 13 de Setembro de 2013

A felicidade não é uma estação onde chegamos, mas uma maneira de viajar.

(Margareth Lee Rimbeuk)

 

(Estação de S. Bento no Porto uma das Mais Belas do Mundo)

 

                   >>>>>>>>>><<<<<<<<<<



                   >>>>>>>>>><<<<<<<<<<


 

A estação se faz presente

Mas no vai e vem estás ausente

Deixando-me descontente

Gente que não é gente...

 

No olhar desesperado

A procura do amado

As lágrimas a rolar

Não adianta esperar...

 

O tempo se faz nublado

A chuva cai...forma enxurrada

Minha mente vazia...já cansada

Não quer mais pensar em nada...

 

Paro...olho a multidão

O vazio da imensidão

Com o olhar já perdido

É melhor fitar o chão...

 

Essa busca desenfreada

Que se prolonga até a madrugada

Resultou numa desvairada

Vida de busca...sem levar a nada...

 

Hoje estou insensível

No brilho dos olhos trago a dor

De quanto tempo procurei

Por um verdadeiro amor...

 

(Celia Piovesan)

 

publicado por artedasao às 12:41

Quarta-feira, 21 de Agosto de 2013

(Capela dos Ossos em Évora Situada na Igreja de São Francisco, Construída no Século XVII)

 

                  >>>>>>>>>><<<<<<<<<<



                  >>>>>>>>>><<<<<<<<<<


 

Nossos Irmãos ou Ossos Irmãos?

 

Fome minha, fome tua.

Desespero ao meu redor...

Tu viestes nua e crua,

Transformando vida em pó.

 

Só o descaso a ti faz forte,

Insaciável, doentia.

Tal presença traz a morte,

Ao findar de tua agonia.

 

Sem ter de que viver,

A chorar de fome e dor.

(N) Ossos irmãos nos fazem ver,

Retratos da miséria, imagens do horror.

 

Indomável sofrimento,

Que elevado em demasia.

Trás a tona esse tormento,

Mergulhado em hipocrisia.

 

Insensível é (O) ser humano,

Desprovido de emoções,

Criador de um mal insano,

Condenado gerações.

 

Mas por detrás dessa rotina,

Um sorriso de criança.

A zombar de nós, uma menina.

Qual seu nome? ESPERANÇA!!!

 

(Marcus Vinicius S. Rocha)

 

 

publicado por artedasao às 10:49

Terça-feira, 20 de Agosto de 2013

(Um Olhar o Paço dos Duques de Bragança, Guimarães)

 

                 >>>>>>>>>><<<<<<<<<<



                 >>>>>>>>>><<<<<<<<<<


 

Abra a janela do teu coração e deixe a alma arejar!

Sabe aquele cheiro de mofo de sonhos que envelheceu e você nem se deu conta?

Deixe que o vento leve para longe...

Deixe a luz inundar tudo, apagar as marcas das decepções, as tristezas das derrotas e da mania de sofrer por sofrer e acima de tudo, permita que o sol derreta o gelo da solidão.

Apaixone-se por um sorriso e sorria junto, ilumine as janelinhas dos olhos...

Ame a pessoa que o espelho reflete todas as manhãs.

Faça florescer todos os campos que sua vista alcança.

Vá além, muito além....

Abra a janela da vida e seja pleno em cada coisa ainda que pareça pequena.

Viva com a espontaneidade de uma criança.

Debruce na janela e não olhe a vida passar através dela... Viva! "

 

(Autor desconhecido)

 

publicado por artedasao às 12:20

Segunda-feira, 12 de Agosto de 2013

(Painel em Azulejos na Estação de S. Bento, Uma das Mais Bonitas Estações ferroviárias do Mundo, Este Quadro Representa o Egas Moniz Apresentando-se com a Mulher e Filhos ao Rei Leão (Século XII)

 

                 >>>>>>>>>><<<<<<<<<<



 

                 >>>>>>>>>><<<<<<<<<<


 

Rei

 


Viva a vida da sua maneira

 

Não deixe que nada te impeça

 

Nem que te digam qualquer asneira

 

Grite, esbraveje e faça uma arruaça

 

 

Faça sempre prevalecer a sua opinião

 

Deixe pensarem o que bem entender

 

Pois aqui não importa o que pensam

 

O importante é o seu querer

 

 

Você é rei em seu mundo

 

Você pode fazer o que desejar

 

Mesmo que seja um tanto vagabundo

 

Ainda assim você pode os ignorar

 

 

(Valéria Bischof)

 

publicado por artedasao às 15:15

Quarta-feira, 31 de Julho de 2013

(Moinho na Duna na Ápulia)

 

                >>>>>>>>>><<<<<<<<<<



                >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

'Minha vida não foi um romance...

 

Nunca tive até hoje um segredo.

 

Se me amar, não digas, que morro

 

De surpresa... de encanto... de medo...

 


Minha vida não foi um romance

 

Minha vida passou por passar

 

Se não amas, não finjas, que vivo

 

Esperando um amor para amar.

 

 

Minha vida não foi um romance...

 

Pobre vida... passou sem enredo...

 

Glória a ti que me enches de vida

 

De surpresa, de encanto, de medo!

 

 

Minha vida não foi um romance...

 

Ai de mim... Já se ia acabar!

 

Pobre vida que toda depende

 

De um sorriso.. de um gesto.. um olhar...


 

(Mario Quintana)



publicado por artedasao às 14:42

Segunda-feira, 15 de Julho de 2013

(Painel na Estação de S. Bento no Porto uma das mais Belas Estações do Mundo, representativo da Apanha da Cereja no Douro)

 

                     >>>>>>>>>><<<<<<<<<<



                     >>>>>>>>>><<<<<<<<<<


 

Cereja Negra

 

 

O olhar de nuvem mergulhado na terra diz mais sobre a menina que as palavras dela

 

Estourada contra o céu-da-boca a língua estala e fala com o som da inocência nela, inventada

 

Manchada de vinho tinto, na alma

 

Escorre na pele rouge queimado o que tenta esconder atrás do passado

 

A risada chia como água na brasa

 

Menina de vida vadia

 

Fruta mordida pela boca calada.


 

(Clarice Paes)



publicado por artedasao às 12:09

Sábado, 13 de Julho de 2013

(Altar - Mor da Igreja do Bom Jesus da Cruz Barcelos)

 

Não cruze os braços diante de uma dificuldade, pois o maior homem do mundo morreu de braços abertos!

(Bob Marley)

 

                    >>>>>>>>>><<<<<<<<<<



                    >>>>>>>>>><<<<<<<<<<


 

Minha cidade é tão simples,

 

habitada por gente composta

 

de qualidades plurais,

 

características singulares,

 

daquele que vive e gosta

 

de viver, conviver,

 

amar demais.

 

 

 

Bom Jesus abençoou esse pedaço de chão,

 

abriu seus braços imensos,

 

espargiu muita luz

 

pra iluminar o caminho de cada cidadão.

 

É por isto que os lenços

 

que se usavam pra chorar,

 

viraram bandeiras de fé

 

apontados para a cruz,

 

agradecendo de pé,

 

pela dádiva: Bom Jesus!

 

(Ivone Boechat)

 

publicado por artedasao às 12:55

Terça-feira, 25 de Junho de 2013

(Situado no Terreiro do Paço em Vila Viçosa Distrito de Évora "O Paço Ducal")

 

                  >>>>>>>>>><<<<<<<<<<



                  >>>>>>>>>><<<<<<<<<<


 

Vila Velha

 

 

 

Oh minha bela Vila Velha

 

Vila nova, terra bela.

 

Pôde ser nova ante bela

 

Pois escolheu ser velha.

 

 

 

Desde os tempos da manivela

 

Encantou caravela

 

És mais formosa dentre as vilas,

 

Dentre as vilas que se vela.

 

 

 

(Lucian Rodrigues Cardoso)

 


publicado por artedasao às 12:43

Segunda-feira, 24 de Junho de 2013

(Entardecer em Évora)

 

                  >>>>>>>>>><<<<<<<<<<



                  >>>>>>>>>><<<<<<<<<<


 

Dono da Solidão

 

Enquanto eu busco a Primavera,

 

Você trás o entardecer,

 

Vejo noites em seus olhos em pleno amanhecer,

 

 

 

Teu sorriso não tem mais cor,

 

Teu olhar perdeu a direcção,

 

Vive sofrendo, só porque alguém machucou seu coração.

 

 

 

Ofereço-te a liberdade,

 

Você se fecha na clausura,

 

Sua vida é uma porta fechada,

 

Mas lá fora a vida continua.

 

 

 

Ofereço-te a esperança,

 

Você prefere a ilusão,

 

Seus dias sãos cinzentos,

 

Não tem paz no seu coração.

 

 

 

Passei a vida inteira a te amar,

 

E, por ser dono da solidão,

 

Resolvi -te abandonar.

 

 

(Rosangela Schivei)

 

 

publicado por artedasao às 14:50

Segunda-feira, 10 de Junho de 2013

(Um dos Painéis que decoram o átrio da estação de São Bento considerada uma das maravilhas de Portugal)

 

                >>>>>>>>>><<<<<<<<<<



                >>>>>>>>>><<<<<<<<<<


 

AMOR MEDIEVAL


 

Seus olhos... Espelhos d’alma mais bela

 

Em que mergulho suave e bem fundo

 

São meus sonhos na mais linda aquarela

 

Retractando o que sinto, reflectindo meu mundo

 

 

 

Paixão sincera sublimada na esfera

 

Fecho meus olhos por breves segundos,

 

Vejo então, pergaminho, tinta e vela

 

É real em sentimentos fecundos

 

 

 

Está escrevendo pra sua donzela

 

Envolto em mistério mantém o assunto

 

Distante da plebe e suas mazelas

 

 

 

Exalta a emoção de um amor oriundo

 

De anseios estros glorificados na espera

 

Cavaleiro cortês, cordato e profundo.

 

 

(Siomara Reis Teixeira)

 

publicado por artedasao às 16:02

Sábado, 01 de Junho de 2013

(O Cromeleque dos Almendres localiza-se na freguesia de Nossa Senhora de Guadalupe, no concelho de Évora, Distrito de Évora. Constitui-se num círculo de pedras pré-histórico com 95 monólitos de pedra.)

 

                >>>>>>>>>><<<<<<<<<<



                >>>>>>>>>><<<<<<<<<<


 

As pedras

 

 

 

Ajuntei todas as pedras

 

Que vieram sobre mim

 

Levantei uma escada muito alta

 

E no ato subi

 

Teci um tapete floreado

 

E no sonho me perdi

 

Uma estrada,

 

Um leito,

 

Uma casa,

 

Um companheiro,

 

Tudo de pedra

 

Entre pedras

 

Cresceu a minha poesia

 

Minha vida...

 

Quebrando pedras

 

E plantando flores

 

Entre pedras que me esmagavam

 

Levantei a pedra rude dos meus versos

 

 

(Cora Coralina)

 

publicado por artedasao às 12:34

Sexta-feira, 24 de Maio de 2013

(Sameiro Braga)

 

                 >>>>>>>>>><<<<<<<<<<



                 >>>>>>>>>><<<<<<<<<<


 

Quem Morre?

 

 

 

Morre lentamente

 

Quem não viaja,

 

Quem não lê,

 

Quem não ouve música,

 

Quem não encontra graça em si mesmo

 

 

 

Morre lentamente

 

Quem destrói seu amor-próprio,

 

Quem não se deixa ajudar.

 

 

 

Morre lentamente

 

Quem se transforma em escravo do hábito

 

Repetindo todos os dias os mesmos trajecto,

 

Quem não muda de marca,

 

Não se arrisca a vestir uma nova cor ou

 

Não conversa com quem não conhece.

 

 

 

Morre lentamente

 

Quem evita uma paixão e seu redemoinho de emoções, Justamente as que resgatam o brilho dos olhos e os corações aos tropeços.

 

 

 

Morre lentamente

 

Quem não vira a mesa quando está infeliz

 

Com o seu trabalho, ou amor,

 

Quem não arrisca o certo pelo incerto

 

Para ir atrás de um sonho,

 

Quem não se permite, pelo menos uma vez na vida, Fugir dos conselhos sensatos...

 

 

 

Viva hoje!

 

Arrisque hoje!

 

Faça hoje!

 

Não se deixe morrer lentamente!

 

 

 

Não se Esqueça de Ser Feliz

 

 

 

(Martha Medeiros)

 

publicado por artedasao às 14:35

Quinta-feira, 28 de Fevereiro de 2013

( Um olhar sobre o Mosteiro de São João D'Arga (Caminha)

 

                                  >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

                                  >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

Para todo só, existe um, alguém.

Para toda porta fechada, existe um abrir.

Para todo erro, uma segunda, chance há.

Para toda chegada, uma partida existe.

Para toda dor, existe um bálsamo.

E para toda lágrima, existe uma recompensa.

E para todo destino, uma estrada há.

Para todo nascer um morrer existe.

E para cada busca, existe um encontrar.

E para todo você, existe um, eu.

 

(Sandra Ribeiro)

 

publicado por artedasao às 10:41

Quarta-feira, 20 de Fevereiro de 2013

(Museu Arqueológico em Barcelos)

 

                                >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

                                >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

De que são feitos os dias?

- De pequenos desejos,

vagarosas saudades,

silenciosas lembranças.

 

Entre mágoas sombrias,

momentâneos lampejos:

vagas felicidades,

inactuais esperanças.

 

De loucuras, de crimes,

de pecados, de glórias

- do medo que encadeia

todas essas mudanças.

 

Dentro deles vivemos,

dentro deles choramos,

em duros desenlaces

e em sinistras alianças...

 

(Cecília Meireles)

 

publicado por artedasao às 09:38

Quinta-feira, 14 de Fevereiro de 2013

(Um Olhar para parte das Muralhas do Castelo de Melgaço)

 

                                 >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

                                 >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

Muralhas

Lutas Que Batalhei,

Muralhas Que Derrubei,

Gigantes Que Enfrentei,

Poesias Que Criei,

 

Me Fizeram Aprender,

O Que Um Dia Eu Quis,

Quando Tentei Esquecer,

Aquilo Que Ensinou O Juiz,

 

Tentei Seguir O Caminho,

E Com A Tristeza Me Encontrei,

Porque Não Venci O Destino,

E Seu Amor Não Conquistei.

 

(Daniel Wutzke de Oliveira)

 

publicado por artedasao às 15:15

Quinta-feira, 31 de Janeiro de 2013

(Recanto no Mosteiro de São João D'Arga Caminha)

 

                                »»»»»»»»»»««««««««««

 

 

                                »»»»»»»»»»««««««««««

 

Ecos D'Alma

 

Oh! Madrugada de ilusões, Santíssima,

Sombra perdida lá do meu Passado,

Vinde entornar a clâmide puríssima

Da luz que fulge no ideal sagrado!

 

Longe das tristes noites tumulares

Quem me dera viver entre quimeras,

Por entre o resplendor das Primaveras

Oh! Madrugada azul dos meus; sonhares.

 

Mas quando vibrar a última balada

Da tarde e se calar a passarada

Na bruma sepulcral que o céu embaça

 

Quem me dera morrer então risonho

Fitando a nebulosa do meu sonho

E a Via-Láctea da Ilusão que passa!

 

(Augusto dos Anjos)

 

publicado por artedasao às 11:27

Sexta-feira, 25 de Janeiro de 2013

(Riquezas de Portugal no Soajo) 

 

                                >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

                                >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

Pelos caminhos que ando

Um dia vai ser

Só não sei quando

 

Pergunte ao pó

Cresce a vida

Cresce o tempo

Cresce tudo

E vira sempre

Esse momento

Cresce o ponto

Bem no meio

Do amor seu centro

Assim como

O que a gente sente

E não diz

Cresce dentro

Razão de Ser

Escrevo.

E pronto.

Escrevo porque preciso,

Preciso porque estou tonto.

Ninguém tem nada com isso.

Escrevo porque amanhece,

E as estrelas lá no céu

Lembram letras no papel,

Quando o poema me anoitece.

A aranha tece teias.

O peixe beija e morde o que vê.

Eu escrevo apenas.

Tem que ter por quê?

Retracto de lado

Retracto de frente

De mim me faça

Ficar diferente

Segundo consta

O mundo acabando,

Podem ficar tranquilos.

Acaba voltando

Tudo aquilo.

Reconstruam tudo

Segundo a planta dos meus versos.

Vento, eu disse como.

Nuvem, eu disse quando.

Sol, casa, rua,

Reinos, ruínas, anos,

Disse como éramos.

Amor, eu disse como.

E como era mesmo?

Sem Budismo

Poema que é bom

Acaba zero a zero.

Acaba com,

Não como eu quero.

Começa sem,

Com, digamos, certo verso,

 

Veneno de letra,

Bolero, Ou menos.

Tira daqui, bota dali,

Um lugar, não caminho,  

Prossegue de si.

Seguro morreu de velho,

E sozinho.

 

(Paulo Leminski)

 

publicado por artedasao às 13:22

Quinta-feira, 03 de Janeiro de 2013

(Um Olhar para o Aqueduto e Igreja Santa Clara em Vila do Conde)

 

                                  »»»»»»»»»»««««««««««

 

 

 

                                  »»»»»»»»»»««««««««««

 

Sons do Silêncio

 

Um Rei mandou seu filho estudar no templo de um grande mestre com o objectivo de prepará-lo para ser uma grande pessoa. Quando o príncipe chegou ao templo, o mestre o mandou sozinho para uma floresta. Ele deveria voltar um ano depois, com a tarefa de descrever todos os sons da floresta. Quando o príncipe retornou ao templo, após um ano, o mestre lhe pediu para descrever todos os sons que conseguira ouvir. Então disse o príncipe: "Mestre, pude ouvir o canto dos pássaros, o barulho das folhas, o alvoroço dos beija-flores, a brisa batendo na grama, o zumbido das abelhas, o barulho do vento cortando os céus..." E ao terminar o seu relato, o mestre pediu que o príncipe retornasse à floresta, para ouvir tudo o mais que fosse possível.

Apesar de intrigado, o príncipe obedeceu à ordem do mestre, pensando: "Não entendo, eu já distingui todos os sons da floresta..."

Por dias e noites ficou sozinho ouvindo, ouvindo, ouvindo... Mas não conseguiu distinguir nada de novo além daquilo que havia dito ao mestre. Porém, certa manhã, começou a distinguir sons vagos, diferentes de tudo o que ouvira antes. E quanto mais prestava atenção, mais claros os sons se tornavam.

Uma sensação de encantamento tomou conta do rapaz.

Pensou: "Esses devem ser os sons que o mestre queria que eu ouvisse..." E sem pressa, ficou ali ouvindo e ouvindo, pacientemente. Queria ter certeza de que estava no caminho certo. Quando retornou ao templo, o mestre lhe perguntou o que mais conseguira ouvir.

Paciente e respeitosamente o príncipe disse: "Mestre, quando prestei atenção pôde ouvir o inaudível som das flores se abrindo, o som do sol nascendo e aquecendo a terra e da grama bebendo o orvalho da noite..."

O mestre sorrindo, acenou com a cabeça em sinal de aprovação, e disse: "Ouvir o inaudível é ter a calma necessária para se tornar uma grande pessoa. Apenas quando se aprende a ouvir o coração das pessoas, seus sentimentos mudos, seus medos não confessados e suas queixas silenciosas, uma pessoa pode inspirar confiança ao seu redor; entender o que está errado e atender as reais necessidades de cada um. A morte de uma relação começa quando as pessoas ouvem apenas as palavras pronunciadas pela boca, sem se atentarem no que vai no interior das pessoas para ouvir os seus sentimentos, desejos e opiniões reais.

É preciso, portanto, ouvir o lado inaudível das coisas, o lado não mensurado, mas que tem o seu valor, pois é o lado mais importante do ser humano...

 

(Autor Desconhecido)

 

publicado por artedasao às 11:47

Terça-feira, 01 de Janeiro de 2013

(Um Olhar para a Câmara Municipal do Porto com a Árvore de Natal na Frente)

 

                                 »»»»»»»»»»««««««««««

 

 

                                 »»»»»»»»»»««««««««««

 

A vida

 

A vida é uma oportunidade, aproveita-a.

A vida é beleza, admira-a.

A vida é beatificação, saboreie-a.

A vida é sonho, torna-o realidade.

A vida é um desafio, enfrenta-o.

A vida é um dever, cumpre-o.

A vida é um jogo, joga-o.

A vida é preciosa, cuida-a.

A vida é riqueza, conserva-a.

A vida é amor, goza-a.

A vida é um mistério, desvela-o.

A vida é promessa, cumpre-a.

A vida é tristeza, supera-a.

A vida é um hino, canta-o.

A vida é um combate, aceita-o.

A vida é tragédia, domina-a.

A vida é aventura, afronta-a.

A vida é felicidade, merece-a.

A vida é a VIDA, defende-a.

 

(Madre Teresa de Calcutá)

 

publicado por artedasao às 11:52

Sexta-feira, 28 de Dezembro de 2012

(Vista lateral da Igreja Santa Clara junto ao Mosteiro com o mesmo nome em Vila do Conde)

 

                                  >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

 

                                  >>>>>>>>>><<<<<<<<<<

 

Todo dia é um novo dia

Tem um novo ser

Tem um novo ver

Tem novas vontades

E antigas amizades

 

Todo dia tem um novo jeito

Tem um grito no peito

Tem um rio no leito

Tem um antigo moinho

E águas que não vão voltar

 

Todo dia tem um ar de esperança

Tem gente que se levanta

Tem gente que canta

Tem quem fique

E não deixa a vida acabar

 

Todo dia pode ser diferente

Tem um mesmo sol

Tem um outro perceber

Tem um mesmo caminho

E o andar de um novo ser

 

Todo dia é dia de começar outra vez

Tem um mesmo lugar

Tem um outro fazer

Tem antigos personagens

E novas histórias a contar

 

(Pablo Massolar)

 

publicado por artedasao às 11:20

pesquisar
 
Abril 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24

26
27
28
29
30


Últ. comentários
Olá Maria da Conceição!Encontrei ao acaso o seu bl...
Gostei imenso... De encontrar esses versos soltos ...
Maravilhosa tarde de segunda-feira para ti doce am...
Muito interessante!! Eu nunca tinha visto jarros c...
Uma fotografia muito linda!! Adoro pavões!!
Mais um belo poema e uma fotografia perfeita!!
Gostei muito deste poema!! Verdadeiramente encanta...
Muito linda
Ouvir o eco de nossas próprias palavras nos dá a i...
Belo poema, imagem ainda melhor!Dylan
Últ. comentários
Olá Maria da Conceição!Encontrei ao acaso o seu bl...
Gostei imenso... De encontrar esses versos soltos ...
Maravilhosa tarde de segunda-feira para ti doce am...
Muito interessante!! Eu nunca tinha visto jarros c...
Uma fotografia muito linda!! Adoro pavões!!
Mais um belo poema e uma fotografia perfeita!!
Gostei muito deste poema!! Verdadeiramente encanta...
Muito linda
Ouvir o eco de nossas próprias palavras nos dá a i...
Belo poema, imagem ainda melhor!Dylan

blogs SAPO


Universidade de Aveiro